Home>BIRD Magazine>TPC: TRABALHOS PARA CASA OU TORTURA PARA CRIANÇAS?
BIRD Magazine

TPC: TRABALHOS PARA CASA OU TORTURA PARA CRIANÇAS?

ALINA SOUSA VAZ
Há mais de vinte anos que se vem proclamando que o excesso de trabalho é prejudicial para o bem-estar do ser humano, mas relativamente às crianças na idade escolar o assunto referente ao excesso dos TPC vai-se deixando nas dezenas de livros e artigos escritos ao longo dos tempos, pois a carga de trabalho é cada vez maior.
Pesquisadores e psicólogos têm debatido o tema de forma incessante e as teorias dividem-se. Se por um lado há quem refira que desde cedo deve existir uma cultura de esforço e de trabalho para melhor se estar preparado para a realidade, outros mencionam que “mais escola não é obrigatoriamente melhor escola”.
Ambas as teorias mencionam premissas válidas. Contudo, neste “processo de guerra” que não é ortodoxo o mais importante é o designado bom senso. Muitos pais concordam com os TPC, mas a realização de TPC XXL arrasa por completo aquilo que mais se devia promover no dia-a-dia das crianças, as relações familiares.
De acordo com Richard Walker, um psicólogo educacional da Universidade de Sydney, “os dados mostram que, em países onde mais tempo é gasto em lições de casa, os alunos apresentam resultados inferiores em um teste padronizado chamado de Programa de Avaliação Internacional de Estudantes, ou PISA, na sigla em inglês”. 
Cá em casa os objetivos vão sendo cumpridos, o ninja recusa não fazer os TPC que lhe são propostos diariamente. Gosta de cumprir! No entanto, o custo sai-lhe demasiado alto, não brinca! 
Para a maioria dos adultos, os TPC não se questionam, pois fazê-lo seria colocarem-se em causa e assim questionarem toda a estrutura social e educativa. No entanto, neste contexto não há espaço para filhos criativos que queiram desenvolver uma arte em paralelo com a escola e quando assim acontece a organização do tempo é ao centésimo de segundo. Uma lufa-lufa diária que, por vezes, acaba por volta das 11h.30m da noite, depois de uma gritaria pegada sobre algo em que não se acredita.
Como é que depois de um dia de trabalho cansativo os pais conseguem ensinar e tirar dúvidas aos filhos? Quantos pais terão a pedagogia certa para ensinar de forma eficaz? Quantas crianças terão alguém que as saiba ajudar? Que eficácia terão os centros de estudo na preparação do estudo do aluno?
Se o insucesso escolar continua elevado o que prova a quantidade de trabalho exigido diariamente? 
Para além da escola, as crianças necessitam de tempo livre para brincar, para desenvolver atividades lúdicas ou desportivas ou desenvolver laços de relacionamento familiar. 
Como pais devemos criar um ambiente propício ao seu desenvolvimento sem que estes carreguem nos ombros, a toda a hora, os nossos sonhos para eles. Logo, como educadores progressistas devemos saber dizer não ao excesso e modelá-los com amor, com respeito, com responsabilidade de acordo com a idade, de acordo com as necessidades, e de acordo com aquilo que os faz realmente crescer: a tentativa, o erro e a aprendizagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.