Home>BIRD Magazine>ERRO DE DESCARTES? (REVISITAÇÃO)
BIRD Magazine

ERRO DE DESCARTES? (REVISITAÇÃO)

REGINA SARDOEIRA 

Erro de Descartes ou Culpa de Descartes? É esta a interrogação que proponho depois de ter lido a obra de António Damásio.

Quando analisa o cogito cartesiano o autor de “O Erro de Descartes” escreve o seguinte:
«Considerada literalmente, a afirmação ilustra exactamente o oposto daquilo que creio ser verdade acerca das origens da mente e acerca da relação entre a mente e o corpo. A afirmação sugere que pensar e ter consciência de pensar são os verdadeiros substractos de existir.» (António Damásio, O Erro de Descartes, p.254, Publicações Europa-América, 1995)
Adiante, Damásio conclui:

«Para nós, portanto, no princípio foi a existência e só mais tarde chegou o pensamento.(…) Existimos e depois pensamos e só pensamos na medida em que existimos, visto o pensamento ser, na verdade, causado por estruturas e operações do ser.» (o.c. p.254)

Farei, em primeiro lugar o comentário deste (aliás insignificante) excerto da obra.
A primeira objecção faço-a à interpretação “literal” do penso, logo existo cartesiano. De facto, é perigoso, filosoficamente falando, aludir de uma forma literal e, ainda por cima, descontextualizada, a qualquer produto da laboração do pensamento.
O cogito cartesiano é um ponto de chegada o que significa, por essa mesma razão, o fim de uma determinada forma de estar na filosofia e o princípio de uma nova era de fundamentação do saber. Representa a superação da dúvida metódica pela certeza indubitável do penso, mesmo quando esta palavra penso é aplicada à dúvida, ao erro e à incerteza. Representa a assumpção intelectual da existência – aquele que pensa reconhece que existe – e um percurso mental crítico de repúdio pela sapiência escolástica então instituído, alicerçado no demonstração por redução ao absurdo. Representa a atitude artificial, logo metódica, do filósofo, que se obriga a duvidar para extrair do nada (em termos gnoseológicos) a certeza absoluta.
Não tenho o mínimo rebuço em afirmar que a este nível Descartes encontrou, no cogito, ergo sum, uma verdade inatacável seja por que ângulo for.
Ele próprio, no Discurso do Método, algumas linhas depois do excerto que Damásio cita (p.255) experimenta a validade da sua verdade primeira, escrevendo:

«Depois disto considerei em geral o que é requerido a uma proposição para ser verdadeira e certa. Uma vez que acabara de encontrar uma que sabia ser tal, pensava também dever saber em que consistia esta certeza. E tendo notado que na afirmação: eu penso, logo existo, não há absolutamente nada a garantir-me que digo a verdade, senão que vejo muito claramente que para pensar é preciso existir, julguei poder tomar como regra geral que as coisas que nós concebemos muito claramente e muito distintamente são todas verdadeiras.» (…) René Descartes, O Discurso do Método, Publicações Europa-América, pp.52/53

Ora, o que deste excerto resulta claramente é a inversão do penso, logo existo que pode traduzir-se da seguinte maneira: na ordem dos pensamentos, quando Descartes no artifício voluntário da dúvida deixou de lado a existência e o seu valor, colocando-as por assim dizer, suspensas, entre parênteses (processo filosófico  que mais tarde Husserl, o fenomenologista, vai designar como epoché) para desmontar o processo gnoseológico, no que diz respeito à segurança das suas fontes, e encontrar o critério de evidência, o eu penso surgiu-lhe como a primeira constatação, visto estar por essência presente no acto da dúvida (duvidar é pensar), surgindo o eu existoem segundo lugar e como sua consequência lógica. Mas, transitando para o plano da existência, Descartes viu, imediata e “claramente” que para pensar é preciso existir, o que nos permite, cartesianamente falando, reescrever o cogito da seguinte maneira: Existo, logo penso. Portanto, a análise simples, ainda que não linear, do texto de Descartes, devidamente enquadrada, torna despropositada a correcção de Damásio ao alcance da verdade filosófica de Descartes, na medida em que, ele próprio, seguindo a sua linha de pensamento, havia desde logo invertido  a ordem gnoseológica do cogito, colocando a existência como condição ontológica (não lógica) do pensamento.
O que é discutível em Descartes, ainda que, em filosofia não seja adequado chamar de “erro” a uma controvérsia (e eis aqui o “err

o” de Damásio) acaba por ser exactamente a transposição do plano lógico para o ontológico, o que não é cientifica ou filosoficamente  legítimo. Tal é a convicção de Kant cuja metafísica se alicerça na desmontagem das transposições de linha cartesiana e na ilusão criada pelo carácter dogmático do seu racionalismo. Portanto, não foi este o “erro” de Descartes visto que a análise rápida de alguns parágrafos de O Discurso do Método não deixa margem a dúvidas sobre o valor inicial do cogito, a saber, o ponto de chegada após a dúvida, o ponto de partida para novas certezas.

O descalabro filosófico do pensamento cartesiano radica nos caminhos seguidos após ter encontrado o cogito, nomeadamente a forma simplista com que, partindo da evidência subjectiva do ser pensante, “demonstra” a existência de Deus e do Mundo. Só que essa é a face de outro problema distinto daquele que ressalta das já citadas cinco páginas de Damásio sobre o presumível erro de Descartes.
Ouçamos então o próprio Damásio:

«É este o erro de Descartes: a separação abissal entre o corpo e a mente, entre a substância corporal, infinitamente divisível, com volume, com  dimensões e com um funcionamento mecânico, por um lado, e a substância mental, indivisível, sem dimensões e intangível.»(…) o.c, p.255

O dualismo cartesiano!  Eis o erro apontado e – parece!- descoberto no século XX por António Damásio.
Sou obrigada a confessar o meu espanto perante um tão impressionante atestado de ignorância passado por António Damásio a toda a comunidade filosófica desde há três séculos. E, reforço, trata-se de um espanto acrescido na medida em que, à época em que “O Erro de Descartes” foi escrito e publicado, qualquer professor de filosofia do ensino secundário desmontava esse suposto “erro” à luz do próprio avanço científico e filosófico na obra de Descartes  O “Discurso do Método” era de leitura obrigatória para todos os estudantes do ensino secundário – pelo que qualquer pessoa minimamente culta não poderá ignorar que a descoberta de Damásio é, afinal, uma pseudo-descoberta!

O que faz então Damásio nas poucas páginas do tornado célebre “Erro de Descartes”? Culpa a influência do pensador francês do século XVII pelo vício dualista do nosso tempo o qual, na área da medicina – quer na sua prática especializada e especializante quer no âmbito da investigação – se tem pautado por essa mesma separação, por essa quase “esquizofrenia”, tratando a patologia humana por secções e vendo o homem como uma estrutura desarticulada, uma máquina repleta de peças e botões cada uma e cada um a carecer de tratamento específico e estanque.

Culpa do erro de Descartes? Como poderemos aceitar esta culpabilidade três séculos depois de tal “erro” ter sido cometido, no decurso dos quais tantos e tão insignes filósofos tocaram a tecla da totalidade antropológica?

É provável que a explicação seja a seguinte: tal como no tempo de Descartes o dualismo (e respectiva elevação da res cogitans à categoria de essência do homem servia de «hábil propósito de aliviar as pressões religiosas que Descartes podia sofrer» (o.c, p.254) também hoje a crescente especialização e correlativa compartimentação do saber e das práticas sociais pode ser a camuflagem de interesses inconfessáveis. Não lhes chamaria já «pressões religiosas» (a Inquisição esfumou-se, enquanto tribunal pelo menos, em permissão de fanatismos e liberdade quase absoluta na proliferação de doutrinas os mais diversos) mas interesses de outro quilate, onde o político-económico se agiganta, soberano.

O livro de António Damásio, sendo notável enquanto investigação sobre  Emoção, Razão e Cérebro Humano (é este, afinal, o seu verdadeiro título, se bem que pouca gente o identifique como tal, pois aparece em letras menores por debaixo de “O Erro de Descartes”) peca em absoluto quando faz uma incursão superficial e errónea sobre o suposto erro de Descartes, ao qual dedica cinco páginas e das quais faz derivar a pompa escandalosa do nome da obra.

Porém, se o mérito do livro de António Damásio for, não provar o “erro” de Descartes ou seja de quem for, mas apear a mente do dogmatismo e dos lugares-comuns, da intolerância e da ideia feita de que o espírito paira, solto por não sei que esferas ideais desarreigado do corpo, tido como vil mas apesar de tudo sua fonte e alimento, se  esta obra puder marcar para a humanidade o início de uma nova era no campo dos valores, reconduzindo o homem à sua verdadeira dimensão, então encontrará justificação a pompa ilusória e mercantilista do título e a insignificância das cinco páginas com que o legitima.

(Texto datado de 12 de Agosto de 1995 (agora revisto e alterado)  publicado nesse mesmo mês no semanárioIndependente.)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.