Home>BIRD Magazine>A FLAUTA MÁGICA
BIRD Magazine

A FLAUTA MÁGICA

PAULO SANTOS SILVA
Em 1791, precisamente neste dia (que é como quem diz, há uns bons 224 anos…), estreava a ópera A Flauta Mágica, no Theater auf den Wieden em Viena de Áustria.
Seguindo um argumento, ou como se diz em termos musicais um libreto, do autor alemão Emanuel Schikaneder, Wolfgang Amadeus Mozart compôs algumas das suas mais inspiradas melodias. O que vindo de Mozart, não era de espantar.
Schikaneder, era companheiro da mesma loja maçónica que Mozart. Devido à influência da Revolução Francesa, a Maçonaria por esta altura atraía imensos simpatizantes, sendo no entanto perseguida. Esta ópera em dois atos, promove assim os valores do Iluminismo, segundo os quais a sabedoria é o único caminho para que haja justiça e igualdade entre os homens. Desta forma, questiona-se o modelo de sociedade vigente, que assentava nas relações de poder e subordinação impostas pelos nobres e pelos aristocratas. 
Podemos, pois, dizer que A Flauta Mágica é uma ópera que pretende mudar mentalidades, descrevendo de uma forma alegórica (através das provações que as personagens Pamina e Tamino têm de passar, impostas pelos membros do Templo da Sabedoria, para atingir no final a sua felicidade plena), o caminho que o Homem tem de percorrer para sair das trevas do pensamento da Idade Média e, assim, chegar à luz do pensamento iluminista. O caminho que as personagens têm de seguir até à sabedoria, é representado nesta ópera pela personagem Sarastro, um soberano que simboliza a racionalidade de um homem que detém o poder sem ser pela força. Em oposição a esta personagem, surge a Rainha da Noite que representa a tirania, a superstição a irracionalidade e a subordinação social e intelectual, uma vez que é ela que determina tudo o que os seus inferiores devem fazer, ou até, pensar. No fundo, tudo aquilo que a sociedade era e que o Iluminismo condenava. 

Ao longo da ópera, surge também a apologia da Maçonaria ao encontrarmos diversos rituais semelhantes aos de iniciação maçónica, como os que Pamina e Tamino são sujeitos e que testam o seu amor e persistência, até serem recebidos no Templo da Sabedoria. 

Quando Mozart escreveu esta ópera, passava por sérias dificuldades financeiras. A sua esposa, grávida, já não se encontrava com ele. Há, no entanto, registos de alguma troca de correspondência entre eles onde Mozart tece alguns comentários ao sucesso da ópera. Sim, porque apesar de no início não ter sido bem recebida, rapidamente se tornou num sucesso, enchendo salas com público ávido de a ela assistir. Não foi assim de espantar, que tivesse atingido as 100 representações em novembro de 1792. Pena foi, que Mozart já não pudesse ter assistido a essa récita, uma vez que tinha falecido em dezembro de 1791. A história da sua morte, envolta em grande mistério, há-de ser alvo de uma próxima crónica…

Ainda hoje, mais de 200 anos passados sobre a sua estreia, A Flauta Mágica é uma das óperas mais representadas e conhecidas do público. Mesmo que não conheça a obra de forma aprofundada, estou certo que já ouviu alguns deles, quanto mais não seja, em publicidade. 

Fique, pois, com a emblemática ária da vilã da história – a Rainha da Noite – intitulada Der Hölle Rache kocht in meinem Herzen, que é como quem diz, A vingança do inferno arde no meu coração. Não é qualquer soprano que a canta, acredite. Apenas os sopranos de coloratura, ou seja, com grande extensão vocal se atrevem a tentar cantar aqueles fás sobreagudos!… 
Delicie-se com esta interpretação da enorme Diana Damrau e, já agora, tenha um bom Dia Mundial da Música!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.