Home>BIRD Magazine>DIA MUNDIAL DOS CORREIOS
BIRD Magazine

DIA MUNDIAL DOS CORREIOS

GABRIEL VILAS BOAS
Talvez não tenhamos dado bem conta, mas os Correios são uma das instituições mais estruturantes do país. Com quase cinco séculos de história, os Correios ajudaram a formatar o Portugal que somos tanto do ponto de vista social como organizacional.
Acompanhando a evolução dos tempos e as necessidades das populações, os Correios foram e ainda são aquele companheiro de toda uma vida que nunca nos abandonou nem nos teve qualquer crise de ciúmes.

Quando foram criados, em 1520, por indicação régia, os Correios permitiram estabelecer os primeiros contactos entre a capital e outras cidades do reino, onde as notícias chegavam com meses de atraso. 

Lentamente foi aproximando populações e mantendo os laços afetivos que as distâncias ameaçavam irremediavelmente.
As cartas e as encomendas eram poucas mas o significado social era imenso. Lenta e pacientemente, os Correios vieram para ficar e servir, não apenas os citadinos, os endinheirados e os importantes mas especialmente os de parcos recursos. 
O carteiro abria muitos sorrisos e pelas suas cartas batiam vários corações, durante a semana. 

Paralelamente, os Correios foram organizando as nossas cidades, vilas e aldeias em lugares, ruas e números de portas e, mais tarde, em apartados. 

Sem nunca se exibirem, os Correios foram construindo um lastro de confiança, segurança e eficiência que os tornou imprescindíveis, sem darmos conta disso. 
Terra que se prezasse assinalava o seu progresso com uma Estação dos Correios. Era para lá que se corria quando os telefones eram um luxo dos ricos ou tínhamos urgência em enviar um telegrama. Caríssimo! Pago à palavra e hoje, uma peça de museu. 
Sim, os Correios fazem parte da nossa memória afetiva, do nosso peregrinar coletivo, do nosso crescimento social e económico. 
Quando o país abandonou definitivamente os campos e as aldeias, os correios estiveram na primeira linha dessa evolução, facilitando a vida às pequenas e médias empresas, no transporte das suas mercadorias. O pequeno comércio, as profissões liberais, os diversos organismos públicos prosperaram e desenvolveram-se porque existiam os Correios e, sobretudo, porque estes nunca deixaram de manter altos padrões de qualidade nos seus serviços.
Atravessaram reinados, repúblicas e ditaduras com a serenidade dos intocáveis. Cresceram e adaptaram-se até às mais duras exigências da evolução dos tempos. A tecnologia, com a supersónica internet, parecia condenar os Correios ao declínio fatal. No entanto, estes foram à luta, reinventando-se. Diversificando e apostando em novos produtos, mantiveram os clientes de sempre, que ficam pasmados como nos Correios se vendem livros ou CD’s, se fazem reconhecimentos de assinaturas e se compram bilhetes para espetáculos culturais, e ao mesmo se levantam e enviam encomendas, se faz um telefonema e envia uma carta com selo colado à mão, como se fazia antigamente.
Há dois anos, uns indivíduos que nos governavam e que conhecem muito pouco da nossa alma coletiva, acharam que podiam fazer uns trocos com a privatização duma empresa que sempre deu lucro. E como sempre acontece nesta selva em que vivemos lá apareceram os abutres do costume para comprar aquilo que não deveria estar à venda. 
Hoje, os Correios, na verdade, já pertencem à esfera económica dos privados, mas a sua história e a sua alma continuam património coletivo.
Há coisas que não se dão, não se trocam e muito menos se vendem! Os Correios são uma delas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.