Home>BIRD Magazine>A INTUIÇÃO E O INTELECTO
BIRD Magazine

A INTUIÇÃO E O INTELECTO

(dois opostos entre dois pontos, apenas à distância de um salto inalcansável)
«(…) Sem olhar à profundidade dos seus sentimentos, à vastidão dos seus conhecimentos, o homem aparentemente completo não o é sem que tenha aperfeiçoado as suas tendências. Quem quiser melhorar os condicionalismos externos tem de começar por melhorar os internos. Quando as coisas não estão a correr bem há qualquer coisa em mim a dizer-mo. Às vezes tenho de pensar muito para descobrir o erro e como corrigi-lo. Depois de resolver o problema sinto-me novamente bem. Isto prova que «O seu instinto leva-o mais longe que o seu intelecto».

Alfred Montapert, in “A Suprema Filosofia do Homem”

___________

ALVARO GIESTA 
Intuir é negar à razão o direito a conhecer de imediato; seja, é conhecer directamente as coisas sem a necessidade de recorrer à razão para delas tomar conhecimento. E é por esse motivo que a razão nega também a intuição pela sua incapacidade de a encontrar. O intelecto não encontrando a intuição não a pode explicar, embora a possa sentir. E não a pode explicar porque, para explicá-la seria necessário buscar a sua causalidade – responder às perguntas: de onde ela vem, porque vem, como vem e qual a relação causa-efeito entre a intuição e a coisa conhecida.
Ora, porque a intuição não nasce do intelecto nem com o intelecto, não faz uso do recurso do raciocínio para explicar sobre o conhecimento das coisas, não precisa da razão para conhecer, porque ela é, em si mesma, um fenómeno não científico e irracional, um fenómeno não-fenómeno, podemos com firmeza dizer que a intuição não se explica. Se nascesse do intelecto ela poderia ser explicada, tinha que ser explicada porque ela seria, obrigatoriamente, racional pela razão que vinha do e com o raciocínio. Mas ela, a intuição, é um fenómeno irracional que jamais pode ser reduzido ao intelecto.
E aqui cabe reflectir sobre os dois domínios de existência – o (já) “conhecido” e o (por enquanto) “desconhecido” (sendo que este último é aquilo que o intelecto ainda busca) -, para podermos fazer uma destrinça entre aquilo que muito nos confunde: entre o FENÓMENO (não-fenómeno) INTUIÇÃO e o PODER DO INTELECTO. Ou seja, entre aquilo que é inacessível ao conhecimento e aquilo que a razão já conheceu ou vai conhecer; entre o “impossível de conhecer” e o já “conhecido” que indagou o “onde”, o “como” e o “porquê”, ou o que, embora (ainda) “desconhecido”, se vai conhecer usando o raciocínio. Portanto, um e outro fenómenos (estes dois últimos) são domínios da razão para deles conhecer.
Assim, a intuição não é um fenómeno “desconhecido”, porque este, sendo do domínio do intelecto, há de ser conhecido através da indagação, da pesquisa, da experimentação. A intuição é, sim, um fenómeno “incognoscível” – ou seja, inacessível ao conhecimento. A qualidade intrínseca do incognoscível é ser isso mesmo: INCOGNOSCÍVEL. É com o incognoscível, isto é, com aquilo que não pode ser conhecido pelo raciocínio, que a intuição labora, ao contrário da razão que trabalha com o conhecido e com aquilo que, embora sendo desconhecido pode vir a ser conhecido.
O instinto leva-nos mais longe que o intelecto – «conhece-te a ti mesmo», disse o filósofo. A intuição é a arma perfeita para, em auto-análise seguida da acção, tornar o Homem em «escola da sabedoria».
Jamais o intelecto poderá conhecer o que nunca pode ser por ele conhecido. Esse místico incognoscível chamado intuição vem de qualquer lugar desconhecido no vazio do ser, de qualquer lacuna do ser, que nunca do intelecto – embora o intelecto a possa sentir mas nunca explicá-la dado não ser um fenómeno científico mas, outrossim, um fenómeno puramente irracional.
A intuição não acontece; surge de qualquer lugar desconhecido do ser pois, se acontecesse, tinha necessariamente que ser explicada. Podia ser explicada. Mas, porque a intuição vem de um domínio diferente do acontecer, um domínio diferente de qualquer causa intelectual e racional que forçosamente interroga e procura as causas primeiras e últimas e as suas consequências com a finalidade de, aproximando-as do intelecto, as explicar e chegar à primeira causa que moveu o primeiro motor imóvel, ela é a realidade mais elevada do ser que, assim sendo-o, jamais pode ser penetrada pela causa mais baixa, neste caso o intelecto do próprio ser, que interroga para chegar à causa primeira. A intuição é essa causa primeira e irracional do ser, é esse fenómeno não científico e inexplicável pela razão por ser o poder mais elevado do ser.
É o fenómeno incognoscível que a razão não alcança, tão semelhante à mente que penetra no corpo impossibilitando, contudo, o seu contrário; assim a intuição pode penetrar no intelecto (poder mais baixo) e nunca este pode ascender à intuição porque esta é o poder mais elevado do ser.
Recorrendo ao raciocínio de Osho sobre o que diz ser a intuição «(…) nem sequer é um fenómeno; é unicamente um pulo no nada para o ser», se pode deduzir que a intuição é uma «lacuna» que apenas o intelecto sente mas que é impotente para a explicar; embora sentindo-a como lacuna, não a pode explicar porque não sabe, o intelecto, como nasce a intuição, onde nasce a intuição e porque nasce a intuição.
Ela é um fenómeno que, na voz de Osho, não chega a ser fenómeno. Àquilo a que a razão chega é apenas “sentir” que “aconteceu qualquer coisa” que a ultrapassou. E essa qualquer coisa é o tal fenómeno inexplicável, o tal fenómeno não científico e irracional, o tal não-fenómeno.
A razão nega, sempre, poder à intuição porque esta jamais pode ser explicada e o intelecto só aceita aquilo que pode ser explicado. Tudo o que está para além da razão e a ultrapassa é a realidade mais elevada do ser, o tal fenómeno que, não sendo fenómeno, não pode ser explicado numa relação de causa-efeito, e jamais aceita, o intelecto, que a intuição lhe fale. Ele, o intelecto, na sua procura das coisas, das causas e dos seus efeitos, jamais deixa que o instinto lhe dê pareceres. Mas, mesmo assim, ou talvez por isso mesmo, o intelecto estará sempre acorrentado à intuição; jamais a razão se separará da intuição como o corpo jamais se separará da mente.
A intuição, fenómeno não-fenómeno mais elevado do ser, como lacuna do pensamento, jamais pode ser reduzida ao intelecto.
E assim se justifica o título dado ao inquietante artigo: A INTUIÇÃO E O INTELECTO – dois opo

stos entre dois pontos, apenas à distância de um salto inalcançável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.