Home>BIRD Magazine>PRÉMIOS DE MÉRITO NA EB 2/3 AMARANTE
BIRD Magazine

PRÉMIOS DE MÉRITO NA EB 2/3 AMARANTE

GABRIEL VILAS BOAS E A COLEGA ROSA MARIA
Hoje, o Agrupamento de Escolas de que faço parte (Agrupamento de Escolas de Amarante) entrega os prémios de Mérito aos melhores alunos do ano letivo anterior. São oitenta alunos que sobem ao palco da escola para receber o seu diploma e respetivos prémios associados (uma estatueta, um livro, um crachá).

É a quarta vez que o Agrupamento promove esta festa, onde os melhores alunos do 4.º, 6.º e 9.º anos são premiados. Recordo como há quatro anos a ideia sofreu resistências por parte de alguns professores, que viam nos quadros de mérito reminiscências do ensino no tempo da ditadura salazarista ou então sugeriam que tais prémios serviam propósitos de estratificação escolar, replicando a estratificação social.

Sempre vi com bons olhos os Prémios de Mérito na escola pública portuguesa. Reconhecer o mérito dos alunos estudiosos, trabalhadores, aplicados é um dever da comunidade e um ato da mais elementar justiça. E não é uma tarefa fácil alcançar tal prémio. Os alunos têm de tirar uma média igual ou superior a 4,5 (numa classificação máxima de cinco) e obter, pelo menos, a classificação de quatro nas provas/exames de Português e Matemática. Além disso, não podem ter qualquer participação disciplinar nem falta injustificada.

Só quem acompanha o trabalho diário deste tipo de alunos percebe quanto eles se sacrificam, quantas horas devotam ao estudo, quantos fins-de-semana passam a estudar para manter um nível tão alto, durante todo o ano escolar.


DINA SANCHES, DIRETORA DA ESCOLA
Esses jovens são um exemplo para os colegas e não há quem discuta, inter pares, o seu mérito. O primeiro e mais importante reconhecimento que estes jovens obtêm vem dos seus colegas. Depois chega o reconhecimento dos professores, da direção da escola, dos pais, da comunidade. 
Os Prémios de Mérito são também o reconhecimento do trabalho, da persistência, da dedicação de muitos professores que ajudaram os seus alunos a chegar a este patamar de excelência. Silenciosamente, gozam o momento, apreciam aqueles rapazes e raparigas, que ajudaram a crescer, recebendo as palmas da plateia repleta e sentem-se, um bocadinho, também merecedores delas. Muitas vezes são estes jovens o combustível que os faz trabalhar melhor, que os desafia, que os faz sentir minimamente realizados numa profissão tão causticada e tão desconsiderada pela sociedade. 
Nos últimos anos chamei ao palco centenas de alunos amarantinos, citei os seus nomes por completo, debaixo das palmas de colegas, professores, familiares, entidades públicas locais e senti-lhes aquele lindo brilho nos olhos que trazem as pessoas felizes. Desfrutar desses momentos é um dos raros prazeres que a profissão de professor ainda encerra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.