Home>BIRD Magazine>NATAL – DAS ORIGENS PAGÃS À REALIDADE BÍBLICA
BIRD Magazine

NATAL – DAS ORIGENS PAGÃS À REALIDADE BÍBLICA

«Pensei que este Natal era para toda a gente…» – actor da novela “A Única Mulher” que desempenha o papel do personagem Kandimba.
__________
O texto não reflecte uma opinião do autor, que não é crente. Está baseado nos documentos históricos que adquiriu (a Bíblia Sagrada, edição pastoral, da PAULUS Editora, 7.ª edição 2011, com a revisão literária do Padre João Gomes Filipe), bem como outros que consultou na internet, estudando-os para poder elaborar este ensaio com propriedade.
___________
ALVARO GIESTA
Capturou-me a tristeza, desenhada entre traços de ansiedade, estampada no rosto do menino negro que desempenha o papel do personagem Kandimba na novela portuguesa mais badalada no momento, e levou-me a escrever sobre o Natal, de modo diferente do que habitualmente se escreve, nesta e desta data: nem conto com o Menino nas palhinhas deitado, ladeado pela vaquinha e jumento, sequer com o pinheiro ricamente ornado com enfeites de múltiplas cores, menos ainda com quanto é possível adjectivar com palavras, com prendas e presentes, unicamente para este dia, singular, que devia ser igual a todos os outros, pois Natal é sempre que o homem queira e o deve ser, e sempre, sem a hipocrisia encoberta nos votos formulados sem a vontade sincera de os fazer, simplesmente para não fugir ao que, protocolarmente, está pré-estabelecido.
Escrever sobre a mística e mítica e mais importante festa para as crianças, é coisa por demais “batida” e banal no recurso que se faz das palavras e dos gestos, tão-sempre iguais para desta data se dizer. Não me interessa saber se, do que aqui fica expresso, me acham tão mordaz ou mais ácido, nas palavras, quanto Eça o foi nos seus escritos realistas. Sou igual a mim mesmo e vertical assim serei, ora e sempre, até que passe à posição final – a horizontal. E de palavras e com palavras, secas e cruas, acredito no que a HISTÓRIA (e a BÍBLIA) me diz: JESUS NÃO NASCEU A 25 DE DEZEMBRO.
Todos os anos se chega à época final de cada ano em que todo o mundo cristão se prepara para celebrar o mais notável acto solene – o nascimento de Jesus Cristo. Para este acto, homenageando um Ser que nasceu pobre e pobre viveu durante a sua curta vida, de sandálias e túnica, tudo se cobre, nefastamente, dos mais ricos e exuberantes gestos de poder que à humildade e à pobreza repugna. «O Messias é pobre» [i] (Lu 2,21), «O Messias veio para os pobres» [ii] (Lu 2,8). «Lucas relata o momento do nascimento de Messias e… quem são as estrelas deste acontecimento? A quem aparecem os anjos a anunciar este sublime acontecimento, esta «boa nova de grande alegria para todo o povo»? Ao sumo-sacerdote? Aos ricos e senhores importantes de Jerusalém? Não. A pastores, humildes e pobres, a trabalhadores do campo, desgraçadamente pobres. A gente insignificante. Lucas, diz-nos, que aquilo que é insignificante é aquilo que Deus valoriza.
E do Natal, regressando às suas origens, falemos, para que os mais novos e os mais humildes – como o humilde actor da novela – fiquem a saber que ele nem sempre foi aquilo que se julga ter sido.
DAS ORIGENS PAGÃS:
Da Enciclopédia Católica [iii] (edição de 1912) «A festa de Natal não estava incluída entre as primeiras festividades da Igreja (…).» Na mesma enciclopédia, ensina-nos ORÍGENES [iv], um dos chamados pais da Igreja que «…não vemos nas Escrituras ninguém que haja celebrado uma festa ou celebrado um grande banquete no dia do seu natalício. Somente os pecadores (“por pecadores entende-se pagãos” como Faraó ou Herodes) celebraram com grande regozijo o dia em que nasceram neste mundo.»
Tardaram os cristãos, mais de três séculos, a celebrar o Natal adulterando, contudo, aquela que parece ter sido (a história assim nos diz) a verdadeira data do nascimento do Homem que veio para redimir o mundo. A história demonstra que, durante os primeiros três séculos da nossa era, os cristãos não celebraram o Natal. Só no século IV (ano 350) após se ter firmado aquilo a que se chamou a igreja estatal do Império Romano (o sistema que hoje é conhecido por Igreja Romana), é que a festa do Natal começou a ser introduzida. Foi o Papa Júlio I [v] que declarou o dia 25 de Dezembro – que fora o dia da festa pagã do deus-Sol – como dia festivo do nascimento do Filho de Deus; contudo, somente no século V é que foi oficialmente ordenado que o Natal fosse observado, para sempre, como festa cristã, e se realizasse no mesmo dia da secular festividade romana em honra ao nascimento do deus-Sol, já que não se conhecia a data exacta do nascimento de Cristo.
E a resposta à pergunta que não é necessário fazer, fica, para sempre, latente no espírito dos cépticos e inquietos: se fosse vontade de Deus que guardássemos e festejássemos o aniversário de seu Filho muito-amado, não nos teria ocultado a sua data, exacta, de nascimento, nem nos teria deixado, sem qualquer referência a ela, exacta, em todo o percurso da Bíblia. E, assim, foi, pelo paganismo, que nos vimos ordenados a adorar Deus, no seu Filho muito-amado no nascimento “inventado” em 25 de Dezembro. Vejamos:
DO (NÃO) NASCIMENTO DE JESUS EM 25 DE DEZEMBRO – analisando Lucas [vi], segundo o seu evangelho:
«Naqueles dias, o imperador Augusto publicou um decreto, ordenando o recenseamento em todo o império. Este primeiro recenseamento foi feito quando Quirino era governador da Síria. Todos iam registar-se, cada um na sua cidade natal. José era da família e descendente de David. Subiu da cidade de Nazaré, na Galileia, até à cidade de David, chamada Belém, na Judeia, para se registar com Maria, sua esposa, que estava grávida. Enquanto estavam em Belém, completavam-se os dias para o parto, e Maria deu à luz o seu filho primogénito. (…)» (Lu 2, 1-7) [vii]
«Naquela r

egião havia pastores, que passavam a noite nos campos, tomando conta do rebanho. Um anjo do Senhor apareceu aos pastores…» (e anunciou) «hoje, na cidade de David, nasceu-vos um Salvador, que é o Messias, o Senhor.» (Lu 2, 8-11) [viii]

Ora, é sabido (e adiante se confirmará no capítulo A BÍBLIA MOSTRA QUANDO JESUS NASCEU) que isto jamais pôde acontecer na Judeia durante o mês de Dezembro – os pastores tiravam os rebanhos dos campos em meados de Outubro e abrigavam-se para os proteger no inverno no tempo frio e das chuvas. (Adam Clark Commentary, vol 5, pag. 370) [ix]. E mais: a Bíblia, no livro bíblico Esdras diz-nos que «No terceiro dia, todos os homens de Judá e de Benjamim estavam reunidos em Jerusalém. Era dia vinte do nono mês (logo, Setembro). Todo o povo estava na praça do Templo de Deus (…)» (Esd 10,9) [x]
Ora, nascer Jesus em Dezembro, parece impossível; porque, impossível parece ser a permanência dos pastores com seus rebanhos durante as frias noites no campo, como também parece improvável que o recenseamento fosse convocado para a época das chuvas e frio, como se vê em Lucas 2,1. Mas…
A BÍBLIA MOSTRA QUANDO JESUS NASCEU:
Jesus Cristo nasceu na festa dos Tabernáculos, [xi] a qual acontecia em cada ano no final do 7.º mês (Itenim ou Tshiri) do calendário judaico – correspondente (mais ou menos) ao mês de setembro do nosso calendário, dado que o calendário judaico é lunar-solar e o nosso é solar. E, nessa festa dos Tabernáculos, das Tendas originalmente chamada, Deus, que a instituiu, habitava com o povo de Israel para que sempre o Seu povo se lembrasse dos dias de peregrinação pelo deserto. «Desde o dia quinze do sétimo mês (…) celebrareis a festa do Senhor durante sete dias (…) Morareis em tendas durante sete dias (…) para que (…) saibam (todos os descendentes de Israel) que eu fiz habitar os filhos de Israel em tendas quando os tirei do Egipto.» (Lv 23, 39-43) [xii]
Vejamos, nas Escrituras, alguns detalhes, ainda que superficialmente, que nos vão ajudar a situar, cronologicamente, o nascimento de Jesus:
Os Levitas [xiii] eram divididos em 24 turnos e cada turno ministrava por 1/24 = 15 dias, 2 vezes por ano. Com os números arredondados e corrigida, a cada 3 anos, a distorção entre o calendário judaico lunar-solar e o nosso calendário solar, 24 turnos a 15 dias cada turno, ia dar o correspondente a 365,2422 dias, o equivalente ao ano. (1 Cr 23, 1-32) e (1Cr 24,1-19) [xiv]
O primeiro turno iniciava-se com o primeiro mês do ano judaico – mês de Abibe (março/abril). O quarto turno, correspondente aos meses de junho/julho (mês de Tamuz), era aquele em que o sacerdote Zacarias, pai de João Batista, ministrava no Templo. Terminado o seu turno Zacarias voltou para casa e (conforme a promessa que Deus lhe fez) sua esposa Isabel, que era estéril, concebeu João Baptista (nos finais do mês Tamuz – junho/julho ou princípios do mês Abe – julho/agosto).
«Depois de terminar os seus dias de serviço no santuário, Zacarias voltou para casa. Algum tempo depois, sua esposa Isabel ficou grávida, e escondeu-se durante cinco meses.» (Luc 1, 23-24) [xv]. Jesus foi concebido 6 meses depois, no fim do mês Tebete – dezembro/janeiro ou início de Sebate – janeiro/fevereiro.
Diz-nos S. Lucas:
«No sexto mês (fim do mês Tebete “dezembro/janeiro” ou início do mês Sebate “janeiro/fevereiro”), o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia chamada Nazaré. Foi a uma virgem, prometida em casamento a um homem chamado José, que era descendente de David. E o nome da virgem era Maria. O anjo entrou onde ela estava e disse: “Alegra-te, cheia de graça! O Senhor está contigo! (…) Não tenhas medo, Maria (…) Eis que vais ficar grávida, terás um Filho e dar-Lhe-ás o nome de Jesus.”» (Lu 1, 26-30) [xvi]
Nove meses depois, no final do mês Itenim ou Tshiri (que cai em setembro e/ou outubro) – o mês em que os judeus comemoravam a Festa dos Tabernáculos, Deus veio habitar, veio “tabernacular” com os homens. Foi o mês em que nasceu Jesus, o Emanuel, o Filho do Altíssimo.
Jesus, o verdadeiro Messias, não nasceu neste mítico dia 25 de Dezembro. Nada existe que prove, cientificamente, que foi nesta data ou noutra qualquer, que Cristo nasceu – nem apóstolos o dizem nem a igreja com propriedade o pode provar, pois jamais a igreja primitiva e/ou os apóstolos celebraram o natalício de Cristo.
O NATAL NAS IGREJAS E OS COSTUMES NATALÍCIOS:
A Nova Enciclopédia de Conhecimento Religioso de Schaff-Herzog [xvii] diz-nos que «Não se pode determinar com precisão até que ponto a data desta festividade teve origem na pagã Brumália», nome dado às festas romanas em honra a Baco – 25 de dezembro, «a que se seguia a Saturnália», festival romano em honra ao deus Saturno que ocorria no mês de dezembro, no solstício de inverno; era celebrada no dia 17 de dezembro, mas ao longo dos tempos foi alargada à semana completa, terminando a 25 de dezembro «e que comemoravam o nascimento do deus-Sol no dia mais curto do ano.» Diz-nos ainda que, «As festividades pagãs de Saturnália e Brumália estavam demasiadamente arreigadas nos costumes populares para serem suprimidas pela influência cristã» que nascia, a quem também agradavam.
Por isso, os pagãos do mundo romano do século IV e V pseudamente «convertidos em massa» ao cristianismo que, sob a influência maniqueísta de Constantino [xviii], identificavam o Filho de Deus com o Sol, levando consigo suas antigas crenças e costumes pagãos, dissimulando-os sob nomes cristãos, «viram com simpatia uma desculpa para continuar celebrando-as sem maiores mudanças», e a adaptarem a sua festa do dia 25 de Dezembro (dia do nascimento do deus-Sol) com o título

de «dia de natal do Filho de Deus». Assim foi como se introduziu no mundo ocidental o Natal.

Nesta altura se popularizou, também, a ideia de «a Madona e Seu Filho» na época do Natal. Coisa que vem da longínqua Babilónia e do poderoso caçador CONTRA Deus como se refere no Génesis [xix] «Cuch gerou Nemrod, que foi o primeiro valente da Terra. Foi um valente caçador diante do Senhor (…). As capitais do seu reino foram Babel (…).» (Gn 10,9). Nemrod era tão pervertido que, segundo os escritos, casou-se com a própria mãe, cujo nome era Semiramis. Prematuramente morto, sua mãe-esposa propagou e preservou a “reencarnação” de Nemrod em seu filho Tamuz. E declarou que em cada natal (nascimento) de seu filho, estabelecido como 25 de Dezembro, Nemerod desejaria ter presentes numa árvore. Parece ser esta a verdadeira origem da ÁRVORE DE NATAL.
Semiramis converteu-se na «rainha do céu» e Nemrode (sob diversos nomes) o «filho divino do céu». E esta veneração se propagou a todo o mundo e hoje nos aparece em imagens e estatuetas de «Madona e Seu Filho».
Mas outras leituras nos dizem que a tradição da árvore do Natal vem da Alemanha, tal qual a canção «Noite Feliz». Antes do ano 350 da era cristã, quando o Papa Júlio I, atrás referido, declarou o dia 25 de Dezembro como sendo o dia do nascimento do Messias, já o povo germânico tinha por tradição guardar ramos verdes em casa para afastar os maus espíritos. Esta prática pagã foi substituída pelo hábito cristão de manter ramos verdes em casa como símbolo da vida que Jesus trouxe a este mundo. Mais tarde os ramos foram substituídos por árvores inteiras enfeitados de velas e outros símbolos. A árvore de Natal é, hoje, o maior e principal símbolo do Natal e os ornamentos luminosos significam a luz que Jesus trouxe ao mundo. É a alegria da criançada.

Outros costumes de origem pagã se preservam na festa Natalícia:
A GUIRLANDA (coroa verde adornadas com bolas e fitas coloridas) que enfeita o exterior das portas de tantos lares, significa que ali se celebra o Natal e a demonstração de o compartilhar com os vizinhos. As VELAS, velha tradição pagã que, acesas, serviam para reanimar o deus-Sol, quando este se extinguia para dar lugar à noite.
De PAI NATAL (o Papai-Noel), estudiosos o afirmam, que a figura do bom velhinho foi inspirada no Bispo Nicolau (N. 280 na Turquia), mais tarde tornado santo por milagres relatados, por ser de bom coração, que costumava ajudar as pessoas pobres deixando saquinhos com moedas nas chaminés das casas. 
A associação da imagem do Santo ao Natal nasceu na Alemanha e espalhou-se pelo mundo – nos Estados Unidos tem o nome de Santa Claus, no Brasil Papai Noel e em Portugal Pai Natal. Representado antes (até ao final do século XIX) com uma roupa de inverno de cor marron ou verde escura, apareceu depois, pela criação do cartonista alemão Thomas Nast, em roupas de cor vermelha e branca com cinto preto, que em 1931 uma campanha publicitária da Coca-Cola, que também era da mesma cor, fez sucesso e ajudou a divulgar esta nova imagem do bom velhinho de barbas brancas e radiante pelo mundo: o mundo imaginário das crianças que, na véspera de Natal, deixa o Pólo Norte, onde habita, e, com o seu trenó, puxado por renas, traz presentes – a alegria das crianças – que foram obedientes e se comportaram bem durante o ano.
______
Bibliografia consultada:


[i] Capítulo 2, versículo 21 do evangelho segundo S. Lucas
[ii] Capítulo 2, versículo 8 do evangelho segundo S. Lucas
[iii] A Enciclopédia Católica: Um trabalho de referência internacional sobre a Constituição, Doutrina, Disciplina, e História da Igreja Católica, também referida como Antiga Enciclopédia Católica e Enciclopédia Católica Original. O primeiro volume apareceu em março de 1907 e os últimos três volumes em 1912, seguindo-se um volume mestre de índices, em 1914, e mais tarde volumes suplementares. Foi projetada para “dar aos seus leitores a informação completa e autorizada sobre o ciclo de interesses católicos, sua ação e doutrina”.
[iv] O grande Mestre da Igreja, depois dos Apóstolos, foi um dos maiores teólogos e escritores do começo do cristianismo. Cognominado Orígenes de Alexandria ou Orígenes de Cesareia ou, ainda, Orígenes, o Cristão, foi um teólogo e filósofo neoplatónico e é um dos Padres Gregos. (N. 185 d.C. na Alexandria, Egipto; F. 254 d.C. em Tiro, Líbano.)
[v] Fundamentos Doutrinais (Pg 1462) da Bíblia Sagrada, PAULUS Editora, 7.ª edição, 2011
[vi] Quem foi Lucas? Foi um cristão gentio que talvez tenha sido discípulo de Paulo (Cl 4,14), seja: capítulo 4, versículo 14 do livro bíblico Colossenses.
[vii] Capítulo 2, versículos 1 a 7 do evangelho segundo S. Lucas
[viii] Capítulo 2, versículos 8 a 11 do evangelho segundo S. Lucas
[ix] Adam Clarke (N. 1760 ou 1762; F.1832) foi um teólogo metodista britânico e estudioso da Bíblia. Durante 40 anos estudou a Bíblia, deixando o seu longo estudo em 6 volumes de cerca de 1.000 páginas cada um e que foi o principal recurso teológico Metodista por dois séculos.
x livro bíblico Esdras capítulo 10, versículo 9
[xi] Das três grandes festas ordenadas por Deus, a Festa dos Tabernáculos é a de  maior significado profético para os cristãos. É comemorado no décimo-quinto dia do mês de Tishri, que usualmente bate no final de Setembro ou princípio de Outubro.
[xii] Capítulo 23, versículos 39 a 43 do livro bíblico Levítico
[xiii] Levitas eram aqueles que dominavam a arte do louvor, sendo portadores dos segredos da oração. Derivado do hebraico “lewi” que significa atar ou unir. Relativo a Levi, membro da tribo de Judá, a quem foi confiado a guarda do tabernáculo de Deus quando da partida em direção à terra prometida. Na tradição judaica, um levita é um membro da tribo de Levi. Quando Josué conduziu os israelitas na terra de Canaã, os levitas foram a única tribo israelita que recebeu cidades, mas não foram autorizados a ser  proprietários de terra “porque o Senhor Deus de Israel é sua herança” (Deuteronômio 18:2) e
[xiv] livros bíblicos denominados Crónicas 1 e 2
[xv] Capítulo 1, versículos 23 a 24 do evangelho segundo S. Lucas
[xvi] Capítulo 1, versículos 26 a 30 do evangelho segundo S. Lucas
[xvii] É uma enciclopédia religiosa (primeira edição: 188284; terceira edição: 1891 com novas edições publicadas em treze volumes 19081914). Versa temas relacionados com o cristianismo, essencialmente sob um ponto de vista do protestantismo.
[xviii] Foi um imperador romano, proclamado Augusto pelas suas tropas em 25 de julho de 306, que governou uma porção crescente do Império Romano até a sua morte.
[xix] Capítulo 10, versículos 9 e seguintes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.