Home>BIRD Magazine>DESEJOS, OBJETIVOS E PROMESSAS
BIRD Magazine

DESEJOS, OBJETIVOS E PROMESSAS

PROMETO FALHAR
GABRIEL VILAS BOAS
Eis a única promessa que estou seguro que cumprirei, apesar de não fazer nenhum gosto nisso. Por muito minimalistas ou cuidadosos que sejamos, haverá sempre alguma coisa que não cumpriremos, das diversas resoluções, umas mais secretas que outras, que, por estas horas, tomamos.
E como isso se tornou banal! Tão banal que trocámos de palavras para não parecer tão mal e passámos a falar de “desejos”. Ora, ninguém se sente responsável por desejos, cujo esforço de concretização fica a cargo dos outros e das circunstâncias. Uma promessa compromete-nos de uma forma quase absoluta e traz consigo a sombra do fracasso ou da desonra.
Se quiséssemos ser sérios falávamos de objetivos, que já não têm aquela carga dramática, mas também não são merosdesejos de ocasião. Hoje é dia deles, como ontem foi dia de “balanços” e há uma semana dia de ser bom. O perigo das convenções é brincar irresponsavelmente às coisas sérias, que assim passam anos sem serem abordadas com seriedade.
Claro que é bom ter desejos grandiosos e filantrópicos; claro que é importante traçar objetivos ambiciosos e realistas para um período temporal da nossa vida; claro que é salutar ter a coragem de nos comprometermos com uma ou outra ação relevante e desenvolvermos verdadeiros esforços para a cumprirmos. Normalmente as promessas têm esta “chatice” de poderem ser verificadas pelos outros, mas o crescimento pessoal precisa de compromisso.
Passando à frente a parte dos desejos (cuidado com o que desejas, pois alguns podem cumprir-se!), sempre achei muito interessante delinearmos objetivos para a nossa vida e definirmos um período de tempo para a sua consecução. Claro que o dia 1 de janeiro é o pior dia do ano para tal exercício, pois, quando chegar a altura de os levarmos a sério, vamos sorrir para a nossa consciência e dizer: “Aquilo foi tudo brincadeirinha de 1 de janeiro!”, “Champagne a mais, entusiasmo do momento!”.
Como daqui a dois/três dias regressaremos à garrafa de água e o almoço já não terá sobremesa, será a altura indicada para estruturar os nossos objetivos do ano. Devem ser poucos, realistas e duros. As categoriais são as do costume: objetivos relacionais, afetivos, laborais, económicos, de saúde. Se não exagerarmos na carga, arranjaremos trabalho para muitos meses. Uns conseguiremos cumprir, outros não. Quando daqui a 365 dias chegar o dia oficial dos balanços, já temos matéria para refletir. E nesse caso, estou certo, não arquivaremos as conclusões nos baús da memória.
Ter objetivos, ter foco é uma das maneiras mais salutares de viver e crescer. Se quisermos aumentar o dramatismo ou demonstrar compromisso, sempre podemos transformar um ou outro em promessa. Claro que podemos falhar, mas só seremos uns falhados se não tentarmos. Como diria Samuel Beckett: “Ever tried. Ever failed. No matter. Try again. Fail again. Fail better.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.