Home>BIRD Magazine>CHINESICES À AMERICANA
BIRD Magazine

CHINESICES À AMERICANA

GABRIEL VILAS BOAS
A expressão «À grande e à francesa», que genericamente designa um estilo de vida luxuoso, tem mais de duzentos anos e remonta à primeira invasão francesa (1807), quando o general Jean Junot permitiu aos portugueses assistir ao modo de vida soberbo e luxuoso, ainda que de curta duração.
E foi esta expressão, devidamente adaptada, que me surgiu automaticamente quando li há alguns dias que o milionário chinês Li Jinyuan decidiu gastar sete milhões de euros para pagar umas férias a 2500 empregados seus, em Espanha.
Como na China é tudo em grande, os números são à “chinês”: vinte aviões fretados, quatro comboios de alta velocidade cheios, setenta autocarros alugados, 1650 quartos reservados em hotéis e… toda a Europa a falar da filantropia deste chinês que faz em Espanha uma gigantesca campanha de marketing de repercussões incalculáveis.
O que são sete milhões de euros para um homem cuja fortuna está avaliada em mais de cinco mil milhões de euros? “Peanuts”, como diria Jorge Jesus!
No entanto, a atitude do dono da Tiens está muito para além do marketing puro. Li Jinyuan é mesmo o tipo de patrão que todo o empregado gostaria de ter: no ano passado já tinha levado 6700 empregados a França, onde gastou mais de treze milhões de euros; nos anos anteriores, os afortunados trabalhadores chineses já tinham estado em Moscovo e na África do Sul, onde o seu patrão também não olhou a gastos para lhes proporcionar umas férias inesquecíveis.
A China e os chineses continuam a surpreender o mundo, dando lições de economia e de marketing, precisamente em áreas em que eram muito criticados.
Durante décadas acusámos os chineses de exploração indecorosa de mão-de-obra baratíssima. Eles sorriram e aparentemente não mudaram, mas lentamente lá vão repercutindo algum do enorme lucro das suas empresas em regalias para os trabalhadores. E depois sabem perfeitamente publicitar ações estridentes e «à americana» como a do magnata Li Jinyuan, que funcionam como uma espécie de bofetada de luva branca na retórica liberal e hipócrita de uma Europa que já nem disfarça a degradação dos direitos dos trabalhadores por anteposição ao aumento dos casos de corrupção entre os mais altos dirigentes de empresas públicas em privadas.
Os chineses continuam comunistas, continuam a reprimir a liberdade de expressão e de imprensa, mas permitem-se a estas excentricidades que nos amolecem o coração enquanto fazemos negócios com eles sem perguntarmos como vivem os seus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.