Home>BIRD Magazine>REFLEXÃO E MULTIMÍDIA: EM BUSCA DE UM OUTRO MODO DE PENSAR
BIRD Magazine

REFLEXÃO E MULTIMÍDIA: EM BUSCA DE UM OUTRO MODO DE PENSAR

ISABEL ROSETE
Por reflexão e, consequentemente, por capacidade ou raciocínio reflexivo, entende-se a volta atenta do pensamento consciente sobre si próprio que, tanto sob um ponto de vista psicológico como ontológico, constitui a sua principal manifestação.
Compreendida num âmbito puramente psicológico, a reflexão consiste no abandono da atenção ao conteúdo intencional dos actos para se voltar sobre os próprios actos. De acordo com esta perspectiva, a reflexão apresenta-se como uma espécie de direcção natural dos actos, criando-se, deste modo, as condições necessárias para a reversão completa da consciência (entendida no sentido de faculdade de conhecimento, não na sua significação moral) e a consecução da consciência de si-mesmo.
Extrapolando-se, a este nível, as fronteiras estritas da Psicologia, ligamo-nos a uma compreensão de pendor gnosiológico, por nos permitir, embora sempre em conjugação com o prisma psicológico, uma análise mais completa das questões concernentes aos actos propriamente reflexivos.
Uma vez que o predomínio da visão e da linguagem da imagem têm proporcionado o desenvolvimento substancial da intuição empírica em função de um certo detrimento da intuição racional, torna-se notório que a capacidade reflexiva das novas gerações é cada vez mais diminuta: a esfera do imediato e do instantâneo têm vindo a substituir o domínio de um pensar autêntico – ou seja, reflexivo -, por atrofiar, em certa medida, essa capacidade essencial da mente humana em penetrar no interior das coisas e de captar a sua essencialidade, de perscrutar o sentido mais profundo das múltiplas significações que o universo ontológico, linguístico e conceptual nos oferece a cada instante.

Talvez encontremos, por intermédio de uma análise conjugada destes três conceitos em análise, a explicação que nos permita compreender:
1. Porque é que os alunos de hoje não são mais capazes de interpretar (tendo presente o sentido genuinamente hermenêutico que atribuímos a este termo) um simples artigo de jornal sobre um qualquer tema comum, embora apreendam, de imediato, o desenrolar da história de uma banda desenhada ou as funcionalidades de um jogo de computador;
2. Porque é que os alunos de hoje são incapazes de interpretar um dos textos mais “elementares” da Literatura contemporânea, embora decodifiquem facilmente um sloganpublicitário.
A imediatez que esta civilização multimídia tem feito despoletar, a um ritmo absolutamente frenético, até mesmo alucinatório, coarcta a emergência efectiva da capacidade de abstracção, a qual permite chegar ao conceito, aos domínios do universal e do essencial, em prol do instantâneo e do superficial. Urge, cada vez mais, a necessidade da edificação da consciência de que a imagem, o slogan publicitário, a banda desenhada, o cinema, o vídeo ou o jogo de computador também são texto e, como tal, devem ser sempre sujeitos a um rigoroso exercício hermenêutico, resultante de um determinado tipo de aprendizagem no âmbito das regras do saber-ler, que a Escola e o Professor devem promover sistematicamente.
Em virtude da instalação definitiva da cultura visual, a linguagem oral e escrita são secundarizadas por um outro tipo de linguagem que a imagem eficazmente produz: a icónica. Esta requer, naturalmente, um outro tipo de aprendizagem ao nível dos processos mentais/cognitivos e dos conteúdos que a imagem em si mesma encerra, a qual deve ser dialecticamente articulada com a aprendizagem da linguagem oral e escrita, igualmente considerada no domínio dos processos mentais/cognitivos e dos conteúdos nela imbricados. Esta é a realidade mais evidente do quotidiano escolar, perante a qual a Educação jamais se poderá alhear.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.