Home>BIRD Magazine>O DIA D E O NOVO MUNDO
BIRD Magazine

O DIA D E O NOVO MUNDO

HERMÍNIA MOTA 
Ontem, 6 de Junho, comemorou-se o D Day ou Dia D.
Neste mesmo dia,  em 1944, desembarcam na Normandia forças militares dos Estados Unidos, Reino Unido e outros países aliados e dão início a uma sangrenta batalha que vem a libertar a França da ocupação nazi, que se prolongava desde 1940.
A Batalha da Normandia não representa só a libertação da França do domínio alemão, mas de toda a Europa, que expurga os seus ódios e fantasmas.
Começa também a delinear-se o surgimento da “Europa” como entidade autónoma, com objectivos militares e defensivos.
No ano seguinte, a 6 de Agosto de 1945  é lançada a primeira bomba atómica em Hiroshima, seguida, passado três dias (9 de Agosto de 1945) de um outro lançamento em Nagasaki.
Nestes dois dias, não foi só a II Guerra Mundial que terminou,  mas um mundo inteiro que mudou.
Hiroshima faz mais de 140.000 vítimas e Nagasaki  74.000.
Começa a era atómica e com ela, a era do horror. A morte em massa em segundos ou minutos,  deixada ao livre arbítrio de uma meia dúzia de líderes obcecados,  “doentes” e desfasados do tempo e do respeito pela vida e liberdade, que manipula um número crescente e indeterminado de seres dispostos a matar e a morrer. A matar o inocente, o desconhecido, o discordante representativo de uma cultura, religião ou sociedade diferente ou adversa.
Apesar dos constantes apelos ao desarmamento, das reuniões entre líderes, do G7, mais ou menos sorrateiramente, alguns países e estados trabalham na construção de armas químicas, nucleares e biológicas.
Há cerca de duas semanas,  vi na televisão um programa sobre a Coreia do Norte. Talvez nunca antes tenha tomado consciência da perigosidade da mente doentia do seu líder e do regime.
Foram entrevistados, sempre sob o olhar atento de apoiantes e “empregados” do regime, professores, operários, donas de casa, agricultores e crianças ( o que mais me impressionou!). Todos veêm o “grande líder” como um semi-deus, aquele que importa garantir que esteja sempre feliz.
Os trabalhadores, entregam  todo o seu trabalho ao líder. Não trabalham em proveito próprio, mas do regime. E quanto mais trabalham, mais felizes são, também, porque agradam ao regime.
A retribuição,  essa,  é denominada “pão e circo”.

Têm o pão garantido e uns “tristes” espectáculos de música, teatro, um pequeno grupo de golfinhos aprisionados que divertem o povo ao fim de semana e que este aplaude como tresloucado. Peço desculpa pela expressão, mas foi exactamente o que vi.  Um público quase em êxtase, previamente sujeito a uma profunda lavagem cerebral.

Um dos jornalistas da CNN perguntou a um menino com 8, 9 anos, no máximo, o que queria fazer no futuro. A resposta foi  impressionante: “fazer parte do exército popular”.
Numa escola, uma professora perguntava aos alunos de quem era a culpa da necessidade da Coreia do Norte fabricar armas nucleares. Resposta: dos americanos e dos japoneses.
E estamos em pleno século XXI…
E a reportagem tirou-me o sono.
O fanatismo que vi naquele povo.
O mesmo que vemos no Estado Islâmico. Diferentes ideais, diferentes meios, mas a mesma manipulação.
O ódio semeado contra o desconhecido. O inimigo e o assassino camuflado e omnipresente.
Olhamos para o lado e qualquer um dos passantes pode ser um extremista pronto a matar e a morrer. E o orgulho das mães destes “mártires”… Dá que pensar. E muito.

Mas o certo é que temos estados a jogar em várias frentes. Apregoam o desarmamento e na cena seguinte, estão a fomentar o mercado negro de armas de guerra.

A sociedade da hipocrisia e do lucro chorudo e fácil.
Paris, ainda não refeita dos atentados de Novembro passado e em permanente Estado de Emergência, , já tem o Campeonato Europeu de Futebol na mira dos extremistas.
E não só do Estado Islâmico, mas de elementos ultra-nacionalistas, movidos por convicções nacionalistas e islamofóbicas.

Com a captura do pretenso mentor dos atentados de Paris e com a análise ao seu computador, tomamos consciência de tudo o que temíamos: os terroristas estão dispo

stos a lançar mão de qualquer tipo de armas. Até das biológicas. É o inimigo quase imprevisível e incontrolável.

Não tem alvo ou cenário de guerra. Todos somos alvos e qualquer local é um campo de batalha, desde que faça o maior número possível de vítimas.
Agora, a detenção na Ucrânia, do cidadão francês com cerca de 100kg de armamento de guerra. Apanhado num cenário de guerra onde o acesso às armas deveria ser muito difícil.
Ou a Europa e o resto do mundo, toma sérias medidas, ou começa a desdobrar-se e o Dia D foi em vão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.