Home>BIRD Magazine>MENINOS E MENINAS DE NINGUÉM
BIRD Magazine

MENINOS E MENINAS DE NINGUÉM

MANUEL DAMAS
Quantos serão os pequenos-grandes Guerreiros deste Mundo?
Falo dos Meninos-Adultos, dos Filhos e Filhas de Ninguém, de todos os não queridos, porque não amados, já que aceitável seria que, pelo menos, tivessem sido mal amados.
Quantos serão, por este Mundo fora, os Meninos e Meninas de Ninguém, filhos e filhas desta Modernidade baça, plástica e sem dó?
Quantas serão as Crianças que, fruto de um curto momento de prazer insano, muitas vezes custeado por notas e moedas rapidamente trocadas para um outro minuto esfusiante, alienador, agora químico, de prazer também, de ausência, de fuga para nenhures?
Crianças que o momento produziu, de forma descuidada e não desejada e que os geradores, não sabendo nem querendo, ser pais e mães, cuspiram para fora das suas vidas…são os Meninos e Meninas de Ninguém…que nem de si próprios.

Quantos serão, por este Mundo fora, os Meninos e Meninas de Ninguém?
Crianças que não tendo pedido para nascer, perante a existência que lhes foi imposta, foram brutalmente obrigadas a crescer, a aprender a esgravatar, a desconfiar de tudo e todos, para tão só e apenas conseguirem sobreviver, atirados precocemente para uma adultícia agreste e solitária.
Quantos serão, por este Mundo fora, os Meninos e Meninas de Ninguém a quem foi roubado, à nascença, o direito a sonhar, a desejar e a ter…uma existência normal?
Quantos serão, por este Mundo fora, os Meninos e Meninas de Ninguém que, em vez de um pequeno peluche tiveram tão só e apenas direito a uma caixa de cartão, amarrotada, suja, usada por outrem…caixa de cartão essa que serviu de manta, de abraço, de limpa lágrimas, de companhia na solidão da noite escura e fria, de casa e, um qualquer dia, servirá para receber a primeira seringa que, com garrote, os transportará até ao sonho nunca alcançado, abrindo-lhes a porta para a fuga à realidade.
Quantos serão, por este Mundo fora, os Meninos e Meninas de Ninguém que nunca tiveram direito a um Papá ou a uma Mamã?
Quantos serão, por este Mundo fora, os Meninos e Meninas de Ninguém que nunca tiveram direito a ouvir o seu nome ser sussurrado com carinho e amor?
Quantos serão por este Mundo fora, os Meninos e Meninas de Ninguém que nunca tiveram direito a um sorriso de carinho, a uma meiguice, a um abraço, a uma voz com ternura?

Quantos serão por este Mundo fora, os Meninos e Meninas de Ninguém?…

Pensem nisso…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.