Home>BIRD Magazine>MORTE AO SOL
BIRD Magazine

MORTE AO SOL

LUÍSA VAZ
Aquela que foi nos idos anos 90 uma canção de culto da banda portuense GNR pode muito bem ser, hoje em dia, a banda sonora deste novo desgoverno ou geringonça, termo com que os portugueses estão mais familiarizados.

Tive o cuidado de tentar obter várias perspectivas sobre a matéria mas a música que soa no fundo do meu cérebro são os jingles de campanha da Esquerda que actualmente conduz os destinos do País rumo à 4ª bancarrota. Um desses jingles anunciava “ o virar de página na austeridade” ou ainda outro “ acabar com a elevada taxa de impostos” ou ainda “ a igualdade social” ou para os mais esquecidos “ o fim das politicas da Troika”. Muitos caíram no engodo e dispersaram o seu voto tendo o resultado sido aquele a que agora penosamente assistimos: uma caça a todo o tostão e um derrube sistemático da iniciativa privada e do capital privado.

Já foram muitas e absurdas as iniciativas governamentais e por mais que os critérios agora utilizados fizessem parte da Lei que regulamenta o IMI eles não estavam a ser utilizados e a razão era simples: a sua subjectividade e arbitrariedade. Foi reposta a cláusula de salvaguarda – muito bem! – O Estado subsidia os mais carenciados a nível de habitação própria permanente – Excelente! – Mas agora reinventa paradigmas julgando-se Luís XIV, o Rei-Sol e achando-se no direito de, de dentro dos gabinetes, taxar a utilização que as propriedades fazem do Astro-Rei e desonerando aqueles que têm os seus entes queridos já falecidos como vizinhos.

Ora e se o meu avô fosse rico e estivesse enterrado no cemitério à porta de minha casa? Por inerência eu não devia ser onerada no pagamento do imposto por ter tão ilustre vizinhança apesar de não ter Sol directo na sala-de-estar?
Se estamos perto de uma ETAR, símbolo de desenvolvimento e progresso no tratamento de águas, estamos mais sujeitos e menoração do imposto do que quem tem vista para o Tejo mesmo que parcial?
A quem cabe agora decidir os limites destes critérios? E meus senhores, 15% de aumento? Mas os senhores estão bons da cabeça?

O País não saiu da recessão em que se encontrava pela simples razão de que quando começava a respirar os senhores o enfiaram novamente no buraco, uma habitação própria é algo que nem a Banca nem os impostos deixam valorizar e por si só não gera riqueza.

O mercado imobiliário ainda estava a dar os primeiros passos na recuperação e os senhores sobem o imposto em 15%? E de uma forma absolutamente arbitrária e criativa? Só podem andar a brincar com coisas sérias.
Tanto quanto o Estado quem ganha com isto são os Municípios que têm nos impostos a sua única fonte de receita para suportar a pesada máquina que ostentam. Gabinetes cheios de técnicos pagos a peso de ouro e sem trabalho, administrativos e sabe-se lá mais o quê. Uma coisa é certa, se estas máquinas alarves fossem diminuídas, cresceria a taxa de desemprego e portanto é necessário utilizar uma fórmula que lhes permita manter o status quo e que traga mais algum rendimento para o Estado continuar a brincar “ ao faz-de-conta”. Faz-de-conta que somos ricos, faz-de-conta que produzimos, faz-de-conta que saímos da crise e por aí vai.
No pós- Campeonato europeu em que os portugueses ainda vivem em clima de euforia, no primeiro dia de férias de muitos e inclusivamente da Assembleia da República publicar um documento com a gravidade deste que se revela um saque a toda a prova e uma demonstração de má-fé visto que se apresenta num momento em que Bruxelas exige um Plano B, em que se demonstra que o déficit e a divida pública disparam, em que os fornecedores não são pagos é um sinal claro de que toda esta geringonça só se mantém porque é fácil gostar de estar no Poder e por pressão do multifacetado ocupante de Belém.
Espanta-me que “as Esquerdas” se apoiem no argumento da “justiça fiscal” e para eles fica a pergunta;
Onde é que há justiça fiscal em regiões como a Guarda que não dispõem de circuitos de água canalizada?
Em vez de ao menos fazerem de conta que se preocupam e que são fiéis ao que apregoam, não, usam argumentos de “dá cá aquela palha” para ajudarem o Geringonço-Mor a mantê-los a todos “no poleiro”.
A Direita pode ter estado mal em alguns momentos e eu estive cá para os identificar mas isto é hipocrisia e falta de moral. Até estou curiosa para ver os números das próximas sondagens. Será que isto se vai reflectir nas próximas Autárquicas?
E a pergunta que se impõe: Como reagiriam “as Esquerdas” se esta medida tivesse sido adoptada pela Direita? A quantas manifs já teríamos assistido? Até quando vão os 2 milhões de portugueses que votaram PàF e os abstencionistas tolerar esta pouca-vergonha?
Aguardo com a serenidade possível que a agora “fashion-victim” e mais moderada – pelo menos no tom de voz – D. Catarina de sua graça se pronuncie quando fizer o favor de terminar o seu período de veraneio. Se bem que em Setembro “ a poeira já assentou” e já só se vai falar do OE17 e inventar argumentos para que ele passe.
E o TC, o que tem a dizer sobre isto? No caso das pensões em que eram afectados, chumbaram a medida do anterior Executivo. E agora? Será que algum dos Doutos Juízes tem uma casinha modesta com boa exposição solar ou bons acessos? Como reagirão a ver 15% do seu rendimento ganho com tanto e árduo esforço saqueado desta forma? Ou será que vão meter a equidade “na gaveta”?
Infelizmente há mais perguntas que respostas mas há uma certeza “ O Socialismo dura até acabar o dinheiro dos outros” M. Thatcher e enquanto o contribuinte tiver uns tostões que o Estado possa açambarcar e quem não tem viva na ilusão de riqueza, nunca mais nos livraremos deste cancro.
Quanto a mim, 25 anos passados, dou-me, pela primeira vez, por feliz por terem construído à frente da minha varanda e eu ter perdido a vista maravilhosa que tinha para o mar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.