Home>BIRD Magazine>CÉU ESTRELADO DE AGOSTO
BIRD Magazine

CÉU ESTRELADO DE AGOSTO

HELENA COUTINHO

Sob o céu estrelado, de uma quinta-feira par, de Agosto, um comboio sobrelotado serpenteava quilómetros de terra e de histórias. Neste comboio, não cabia um só sorriso porque todos os espaços haviam sido ocupados por bagagens de gente que viaja diariamente com excesso de carga. Embora quase metade dos bancos se encontrassem desprovidos de ocupante, na verdade, não sobejava qualquer espaço livre. Tudo o que não estava ocupado por gente fora preenchido por pequenos nadas da rotina ou por grandes tristezas do coração. Poucos ousavam falar com o ocupante mais próximo, fosse conhecido, amigo ou familiar, ou tão pouco olhá-lo, olhos nos olhos, como se tal estivesse proibido ou pudesse justificar o antecipar do fim do mundo dos homens. Todos carregavam muito mais do que aparentavam ter capacidade ou vontade. Todos viajavam com um destino programado, embora a luz trémula do seu olhar desnudasse sinais de desorientação, pensamentos cinzentos e o cansaço causado pelas rotas do costume, que levavam aos mesmos lugares de sempre, onde nunca tinham tempo para ser felizes. 

Neste comboio, semelhante a tantos outros, viajavam pessoas iguais no desespero e insensatez da sua existência. Pessoas apressadas, à entrada, mas que se arrastavam no momento da saída. Pessoas que se apoiavam numa bengala chamada telemóvel, onde consultavam as actualizações e alucinações mais recentes, minuto a minuto. Todos pareciam hipnotizados por um pequeno ecrã, que seguravam como ouro – a única razão, sem razão, capaz de lhes roubar algum tipo de expressão humana. 
Inesperadamente, quando o comboio já se abeirava da estação terminal, eis que uma jovem se levantou, com um sorriso recheado de Sol, e, sem pedir licença, começou a preencher os espaços outrora ocupados por sentimentos desalinhados com a harmonia das suas palavras. Como por obra de um poder superior, todos escutaram atentamente o seguinte: “Se as palavras fossem notas musicais, os sentidos tocariam sinfonias. E, em cada uma, as histórias fluiriam, como os rios que correm em busca do mar, ou os filhos que buscam o regaço da sua mãe. Se as palavras fossem notas musicais, o pensamento seria um maestro inspirado, a comandar a orquestra do coração. Se as palavras fossem notas musicais, os sentimentos pairariam nas pupilas dos amantes, iluminando os dias, como estrelas. Se as palavras fossem notas musicais, a vida seria uma partitura mais simples e mais feliz. Se as palavras fossem notas musicais, as dúvidas e os medos jorrariam livres, como borboletas, nos dedos de quem as soubesse tocar, por dentro. Se as palavras fossem notas musicais, vocês dançariam ao som de um tempo chamado liberdade!”Entre aplausos, sorrisos, lágrimas e abraços, aquela viagem chegou ao fim. Mais rápida do que a própria sombra, a jovem saiu do comboio, e desapareceu, com a cumplicidade da noite. Ninguém a conhecia e alguns duvidaram da veracidade do que ali haviam presenciado. Reza a história que nunca mais a viram, mas o certo é que nunca mais a esqueceram e, pelo menos, naquela noite, cada um seguiu o seu rumo um pouco mais leve e feliz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.