Home>BIRD Magazine>MIQUINHAS, A PARTEIRA DA FREGUESIA…
BIRD Magazine

MIQUINHAS, A PARTEIRA DA FREGUESIA…

HÉLDER BARROS
Vivíamos em meados do século passado, em que a mortalidade infantil foi sempre muito grande, assim como a taxa de mortalidade à nascença, igualmente, com números muito elevados. Nas freguesias do país, assim como nas do nosso concelho, existiam umas senhoras “habilidosas” que faziam os partos, acudindo às parturientes, nesse momento tão importante para uma mulher, como para a comunidade: o nascimento, o ato de dar à luz um novo ser. Numa altura em que as maternidades eram poucas, estavam, maioritariamente, nos grande centros de Lisboa e Porto e o resto, era paisagem… restavam os valiosos préstimos destas senhoras.
Miquinhas, a parteira da freguesia, era uma dessas bravas mulheres, cheias de coragem. Habituada a ajudar o seu pai desde tenra idade, sendo a sua preciosa auxiliar nos partos mais complicados das vacas, que muitas vezes morriam enquanto davam à luz os seus vitelos, ou morriam estes, ou ocorriam as duas situações, simultaneamente. Tal representava um rude golpe na economia familiar e às vezes comunitária, quando o gado era partilhado por todos, na produção de leite, na tração agrícola e na venda para abate e aproveitamento da sua carne.
Influenciada por isso ou talvez não, Miquinhas, começou a ser a parteira da freguesia, por volta dos seus vinte e sete anos de idade. Alguns conhecimentos desse mister foram-lhe transmitidos por uma velhinha que, uns anos antes de morrer e conhecendo a coragem e determinação da rapariga, lhe pediu para ser a sua colaboradora e futura seguidora, numa função crucial para a harmonia da freguesia. Essa foi a Dona Conceição da Quinta, que lhe ensinou tudo o que sabia, resultado de anos e anos de experiência de saber vivido. Micas sabia que a sua herança era pesada, dado que a Dona Conceição era muito respeitada por todos; afinal, foi este ser quase mágico, que os ajudou a sair para irem de encontro aos seus primeiros raios de luz…
Miquinhas, começava os seus partos, sempre que havia tempo para tal, por pedir às parturientes que bebessem dois copos grandes de vinho do Porto, de rajada, qual anestesia caseira e de certa forma, eficaz. As mulheres ficavam entre os estados de euforia e de adormecimento, sendo aparentemente mais fácil realizar os procedimentos necessários à conclusão efetiva e com sucesso dos partos. A Dona Conceição ao que constava, uma mulher alta e bastante forte de braços, uma autentica lavradeira à moda antiga que fazia frente com uma enxada a qualquer homem, chegava a adormecer as mulheres com um murro, quando estas de alguma forma estariam a impedir com as suas contorções desapropriadas, o normal desenrolar dos acontecimentos.

Quando falecia alguém neste processo, o recém nascido, a Mãe, ou os dois, Micas ficava muda por três a quatro dias, bebendo o que sobrava da garrafa de vinho do Porto, para apaziguar a sua mágoa. Sentia o peso da responsabilidade de garantir que todos nascessem na comunidade, tranquilamente; quando falhava ficava zangada consigo mesmo, tentando de alguma forma aquilatar com o efeito da bebida, o seu quinhão de responsabilidade na fatalidade. Pesado fardo este, para pouco retorno, pois estes serviços eram prestados de forma gratuita, aceitando por tradição, apenas alguns víveres que lhe oferecessem, frangos, anhos, coelhos, bens alimentares, como arroz, açúcar e café, assim como o vinho do Porto, que se foi tornando um vicio de Miquinhas. A sua vida difícil e as contrariedades que foi vivendo, tiveram no precioso néctar do Douro, algum conforto imediato que, pagou caro no futuro, pois viria a morrer de uma cirrose alcoólica fatal, com apenas cinquenta e cinco anos de idade.

Houve um dia muito feliz para a Miquinhas: um parto de gémeos, duas meninas que a deixaram ufanosa e contente. Um parto muito difícil, mas que pelo seu êxito total, levou a que na aldeia não se falasse doutra coisa por muitos dias, sendo a coragem e a resistência da parteira elogiados e lembrados por vários anos. Sempre que via as meninas, chamava-lhes meus anjos e fez questão de ser madrinha das duas, não aceitando mais nada em troca do que isso: o que representava muito para esta mulher simples.
Claro que, nos dias que correm, em que Portugal, apesar dos constrangimentos orçamentais, está muito bem situado nos números reduzidos de mortalidade à nascença, será muito fácil criticar o trabalho destas corajosas mulheres. São críticas, a meu ver, anacrónicas, pois se não fossem estes seres mágicos, morreriam muito mais bebés à nascença, temos que ver que no Portugal da época, a nível dos meios rurais, a medicina era feita por médicos isolados nos seus consultórios, cobrindo áreas geográficas e populacionais muito grandes.
Quanto a mim, nunca foi feita uma verdadeira homenagem a estas mulheres coragem, algumas até que eram enfermeiras, ainda me lembro delas com a alcunha significativa de “parteira”, que se deslocavam aos lares das parturientes para realizar o seu mister, com as condições da época e, sim, faziam autênticos milagres, com os parcos recursos de que dispunham. A todas elas que já partiram, que Deus as guarde em bom lugar e aqui fica a minha singela, mas sentida homenagem a estes seres quase que, da ordem do sagrado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.