Home>BIRD Magazine>ENTORSES DO TORNOZELO
BIRD Magazine

ENTORSES DO TORNOZELO

FÁTIMA LOPES
As entorses do tornozelo são muito frequentes 38 a 45% de todas as lesões no desporto (EUA). Podem ter uma evolução espontânea para a cura contudo em alguns casos é necessária uma atenção especial de forma a evitar sequelas, pois o principal fator predisponente da entorse é a história de entorses prévias desta articulação. 
É frequente ouvir dos pacientes que praticam desporto; que compraram umas sapatilhas e na loja o vendedor lhes sugeriu calçado de controlo de pronação no caso de pé plano. Ou então optar pelo controlo de supinação baseada na forma estática do pé o que não é correto pois a necessidade de compensações depende do comportamento de todo o membro inferior durante a corrida.
COMO SE DESENVOLVE UMA ENTORSE?
A entorse do tornozelo é descrita por vários autores (Safran MR, Benedetti RS…) um traumatismo em inversão excessiva, com supinação, rotação interna e flexão plantar do complexo articular tornozelo-pé.
As estruturas ligamentares envolvidas são ligamento peróneo-astragalino anterior (LPAA), a região antero-lateral da capsula articular, o ligamento calcâneo-peroneal ( LPC) e o ligamento peróneo-astragalino posterior.
A gravidade da entorse está relacionada com o número de elementos ligamentares atingidos e é habitualmente classificado em três graus.

GRAU I
· Dor e edema localizado dos tecidos moles
· Sem instabilidade mecânica
· Estiramento de algumas fibras do ligamento LPAA.
Tratamento: seguem-se as normas R.I.C.E.
Rest – repouso não efetuar carga
Ice- Aplicação de frio
Compression – imobilização com ligaduras 
Elevation elevar o tornozelo acima do nível do coração por 48h.
GRAU II 
· Perda funcional parcial, com dor para carga
· Instabilidade moderada
· Rutura do LPAA e rutura parcial do LPC
Tratamento: aplicar as normas anteriores (R.I.C.E.) e é frequente a aplicação de uma tala gessada ou uma ortótese apropriada imobilizando o membro.
GRAU III
· Edema exuberante, equimose
· Grande instabilidade e impotência funcional total
· Rutura completa dos LPAA e LPC
Tratamento: cirúrgico para efetuar a reparação de ligamento
Estas lesões podem representar um problema real em termos de saúde pública; sendo assim preponderante desenvolverem-se abordagens corretivas e programas de prevenção adequados; nesta perspetiva; o podologista efetua a anamnese e exame físico onde são pesquisados os dados pessoais: idade, estatura, peso, tipo de calçado, atividade profissional e desportiva a análise do pé através da inspeção, estudo da mobilidade articular, palpação de pontos dolorosos e pesquisa de movimentos anormais e a avaliação de fatores de risco como: dismetria dos membros inferiores; insuficiência peroneal; laxidez ligamentar; pé equino; calcâneo varo.

 www.centroclinicodope.pt

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.