Home>BIRD Magazine>CANÇÕES DE NATAL
BIRD Magazine

CANÇÕES DE NATAL

PAULO SANTOS SILVA
Pois é, caro leitor.
Daqui até ao Natal, é mesmo um salto de pardal.

Embora não pareça, ele já começou. A árvore de Natal, o presépio, a compra dos presentes, os jantares de Natal que se multiplicam por esta altura e, sem quase nos darmos conta, as Canções de Natal. Elas estão presentes nos centros comerciais, nas amplificações sonoras de rua, nas rádios, nas televisões, nos entretenimentos, eu sei lá. Mais conhecidas, menos conhecidas, mas sempre familiares, embora algumas sejam mais do que outras. Quem não conhece ou nunca ouviu o célebre “A Todos Um Bom Natal”, do Coro de Santo Amaro de Oeiras, que invariavelmente terminava o Natal dos Hospitais?… Arriscar-me-ia a dizer que os miúdos que gravaram a primeira versão da música, já devem ser hoje pais e mães de família! No entanto, aquela que deve ser seguramente a mais conhecida música de Natal, tem o nome em português de Noite Feliz, ou no original Stille Nacht. Escrita na Áustria, mais propriamente em Oberndorf, corria oano de 1818 pelo padre Joseph Mohr e pelo músico Franz Gruber, tem versões em pelo menos 45 línguas e foi declarada pela UNESCO como Património Cultural Imaterial da Humanidade, em 2011. A história da sua composição não é consensual. Há quem diga que o Joseph Mohr procurou Franz Gruber com um poema que havia escrito dois anos antes, para que este o musicasse para ser tocado horas depois na Missa do Galo. Há quem diga que escreveu o poema no caminho até Gruber, uma vez que mais do que encontrar o amigo, Mohr queria arranjar um instrumento que substituísse o órgão da sua igreja que não estava operacional, uma vez que os ratos tinham roído os foles. Certo, é que a canção terá sido originalmente escrita para guitarra e flauta, tendo sido muito bem acolhida por aqueles que a ouviram pela primeira vez. Tão bem acolhida, que nunca mais deixou de estar presente no Natal da Igreja de São Nicolau. Em 1820, surge o primeiro arranjo vocal, a que seguiram novos arranjos feitos pelo autor, pouco antes da sua morte em 1863. No entretanto, aparece o primeiro arranjo para orquestra (1845) e um novo arranjo para órgão (1855). A partir de 1900, podemos dizer que a música era definitivamente do domínio público, sendo quase obrigatório que no Natal ela esteja presente de alguma forma. A lista de artistas que já gravou versões desta canção, é extensa. Há versões para todos os gostos. Quanto ao autor, Franz Gruber, não se lhe conhece propriamente mais nenhuma obra relevante. Se calhar, não precisava de a ter porque esta, seguramente já ganhou um lugar inatingível na História – a Mais Bela Canção de Natal de Todos os Tempos!!!  

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.