Home>BIRD Magazine>MARATONA NO GERÊS – A MAGIA DO DESATINO
BIRD Magazine

MARATONA NO GERÊS – A MAGIA DO DESATINO

ELISABETE RIBEIRO
3 de dezembro, sábado. O Gerês já me aguardava com um belo almoço, entre amigos. Antes, ainda passei pela Vila, levantei o dorsal e encontrei o meu grande amigo e guia de trilhos, Jorge Lobo. Naturalmente houve atualização de novidades acompanhada por um café. 
Após o almoço ainda fui matar saudades pela serra, mas comecei a sentir algum incómodo e voilá… infeção urinária! Nem queria crer… Como é possível se bebi pipas de água durante a semana? Entre visitas à farmácia e um mau estar que só eu sei, ainda recebi a notícia de que o meu parceiro da jornada dos 42 kms, António Cabral, tinha sofrido um incidente, nesse mesmo dia, tornando impossível a sua presença na prova. A consternação tomou conta de mim! Tínhamos decidido fazê-la juntos… já antevia a diversão aliada ao sacrifício. Como se isso não bastasse, o apetite foi-se. Mal toquei no jantar! Não era isto que esperava sentir na véspera da prova. Estava desanimada, nervosa e muito indisposta. Deitei-me com a dúvida se estaria em condições para fazer a prova… ou não. Só esperava que a medicação fizesse efeito…
4 de dezembro. A partir das 6 horas da manhã já estava alerta. Senti-me melhor e o incómodo tinha desaparecido. O medicamento fez o seu papel. Fabuloso! Fui tentar tomar um bom pequeno-almoço, mas o estômago continuava a recusar os alimentos. Foi complicado convencê-lo que precisava de comida. 
Por volta das 8 horas segui para a partida. Fui encontrando pessoas amigas, como foi o caso do meu querido Hugo Daniel e do “perneta” simpático, Carlos Cardoso
Neste ambiente de festa, quem vou eu encontrar? Os meus queridos Tugas na Estrada! Conversa, abraços, boa disposição, palavras de ânimo e motivação foram os mimos que precisava para me concentrar. Obrigada, Tugas! O vórtice de sensações era enorme que me confundia. Ora confiante, ora nervosa, ora espavorida, ora focada… mas tinha uma certeza: começar para terminar!
No grupo de partida fui encontrando caras conhecidas. Entre asneiradas e palermices (para aliviar a tensão) surge o sinal de partida. Passei o pórtico, O nervosismo retirou-se e deu lugar à tranquilidade. Entreguei-me à passada e ao desatino que tinha pela frente. Pensei: “Vamos, António. Temos 42 kms para rolar!”
Após 700 m já estávamos a trepar o primeiro “muro”. Rumávamos à conquista da Pedra Bela. Uma subida fabulosa que foi feita na companhia do Daniel Antunes. Nesta fase ainda dava para conversar, e ver as lebres que já tinham feito o retorno! Abastecimento da Pedra Bela. Laranja e uma noz de chocolate auxiliaram-me na descida. Foi só alargar a passada e acionar os travões. 
Quando surgiu a divisão de provas, os maratonistas tinham agora 6 km a subir até Leonte.
Este percurso foi tranquilo e sem percalços. A exuberância da mãe natureza fez esquecer, por momentos, a soma dos quilómetros. O som da água, trazido pelo vento, a correr no rio Gerês, era o tónico anímico que me impulsionava montanha acima.
Da Casa de Leonte (842 m) até à viragem para Vilarinho das Furnas, foi sempre a descer. Voltei a destravar acompanhada pela beleza outonal da Mata da Albergaria. Aquele cheiro inato e genuíno da vegetação embriagava-me. A magia da mata cortava o efeito do esforço. Os quilómetros caíam no Gps e mal os sentia. Bebi nas fontes naturais que por ali se encontram. Fui presenteada pelo Pai Natal, por duendes flautistas e tocadores escondidos nos arbustos.
Aqui ía acompanhada por um pequeno grupo. Uma paragem urgente para verter águas, isolou-me na corrida. Entretanto fui alcançada por um atleta que me acompanhou durante algum tempo. A certa altura comecei a sentir o estômago às voltas. Parei e… vomitei a laranja que tinha ingerido na Pedra Bela. Apesar do alívio, senti quebra no aporte energético. O Vitor (nome do atleta), não queria deixar-me, mas eu estava com dificuldade em acompanhá-lo e pedi que continuasse. Contrafeito, seguiu caminho. Prossegui devagar. Apesar de ter comigo alimentos, não conseguia comer!
As costas começaram a doer a partir daqui (26/27 km). Tinha que gerir o esforço pois sabia que iria fazer o resto da prova sozinha. Segui, tentando absorver o encanto do que me rodeava e esquecer as dores. Comecei a falar comigo para dispersar a ideia de desistir. ” Elisabete, tu anda, arrasta essas pernas, porque vais ter de terminar, doa o que doer, custe o que custar” Fui andando, correndo, gerenciando a energia e a auto motivar-me. 
Abastecimento do Campo do Gerês (30 kms). Só faltavam 5 kms de subida, para depois ter 7 sempre a descer até à meta. Voltei a beber água… e tentei comer uma barra energética. Tentativa falhada. Sentia o corpo cansado a precisar de nutrientes mas o estômago negava-se. Admiravelmente, as pernas estavam bem mas poupei-me o mais que pude nesses 5 quilómetros. Fui recordando as pessoas que me apoiaram, incentivaram e acreditaram em mim. Alentei-me com esse pensamento. Abracei todas elas, guardeia-as no coração, levantei a cabeça e prossegui …
As costas continuavam a doer e o meu receio era que me prendesse a passada. Felizmente não aconteceu e, sempre que podia corria. ” A meta é já ali, rapariga. Anda! Está difícil? Achas que se fosse fácil ías aqui sozinha? Vaii” . Não me recordo falar tanto comigo. Olhava à minha volta. Eu e a serra. Os contrastes eram uma constante, a beleza imperava contra um corpo cansado a implorar paragem. Qual parar qual quê?? Estás parva? Tu não estás só. Tu aguentas porque és tu!”
Finalmente as curvas de S. Bento!! A pouca energia que tinha queimei-a naquela vertiginosa descida até à meta. As pernas responderam bem. Já se ouvia a música na Vila. Sorri! Uma alegria imensa apoderou-se de mim. Já nada nem ninguém me tirava o prazer

de cruzar a meta.

Na última descida encontrei o Pedro Magalhães que não se poupou a palavras de encorajamento. Fabuloso! Ainda brinquei com um casal para me deixar passar e disse “deixem-me passar que tenho o caldo à espera!” Eles aplaudiram!
Dobrei a última curva e ali estava eu, na meta! Ohhh… que emoção! Vi o Vítor e consegui agradecer-lhe! Vi os fotógrafos e, num ímpeto, dei um pulo… e depois mais dois a pedido deles! Passei a meta com um sorriso que me encheu a alma e o coração! ” Está feita, António!! Consegui! Com direito a entrevista por parte do Speaker e com uma receção fabulosa do José Capela e da minha ex aluna, Raquel, o voo tinha terminado! O Gerês foi dobrado!
Começo a sentir um refluxo instintivo direcionado ao vómito. O Zé Capela auxiliou-me até normalizar. Momentos depois, e após ser felicitada por Carlos Sá, atirei-me à sopa do pote. Um mimo mais que merecido!
Derrubei assim 42 quilómetros de pura beleza no imenso Gerês, num misto de exuberância e dor, de encanto e sacrifício, de magia e provação.
Passar aquela meta foi surreal após todos os contratempos da véspera. A felicidade da conquista é indescritível. Realizar esta prova é um enorme teste de resistência e de coordenação de energias. Gerir a mente e não permitir que o cansaço se sobreponha à vontade.
Para quem vai, apenas para terminar, aqui não se fala em tempos. Fala-se na conquista ao alcance de poucos, fala-se no triunfo do desatino!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.