Home>BIRD Magazine>VACAS QUE RIEM – VACAS FELIZES
BIRD Magazine

VACAS QUE RIEM – VACAS FELIZES

JORGE NUNO
Numa minha anterior crónica, escrita já em 2017, abordei a notícia que dava conta que um produtor do Reino Unido descobriu que as suas “cabras produzem mais de 20% de leite do que o habitual, quando expostas ao tema “All I want for Christmas is you”, de Mariah Carey. Não tenho razões para duvidar que tivessem produzido mais, mas, sinceramente, não acho que sejam “cabras felizes”. Não estou a ver este produtor a colocar altifalantes nos prados verdes e húmidos do Reino Unido, para extasiar musicalmente os seus animais. E não estou a ver estas cabras felizes por estarem sempre a ouvir o mesmo tema, independentemente da preferência do produtor de leite por esta cantora, compositora e produtora musical americana.
É que nós por cá, no arquipélago dos Açores, temos vacas que são criadas em prados verdes, apresentam boa produção leiteira e são mesmo apelidadas de “vacas felizes”. Estas vacas são expostas apenas ao puro som do marulhar, da sinfonia dos pingos da chuva atlântica, da húmida brisa, da folhagem da vegetação (com pastagens verdejantes cercadas de hortênsias azuis) e do som telúrico saído das profundezas destas ilhas vulcânicas, numa concórdia de elementos que embriagam. Trata-se de um programa natural, criado pela mãe-natureza, com a qual as vacas tão bem se harmonizam.
Já me tinha habituado à imagem do queijo “La vache qui rit” [criado em França, em 1921], com uma vaca muito simpática e sorridente, tendo como brincos duas embalagens de queijo fundido, cremoso, em triângulos e que depois vi convertido, em Portugal, para “A vaca que ri”, nos mesmos moldes.
A Bel Portugal detém as marcas “A vaca que ri”, “Mini Babybel”, “Terra Nostra” e “Limiano”. Com novos proprietários em 1999, foi deslocalizada a produção desta última marca de Ponte de Lima – que lhe deu o nome – para Vale de Cambra, tendo Daniel Campelo efetuado greve de fome em defesa deste queijo, do nome e da manutenção da fábrica em Ponte de Lima. Um ano depois, este ex-deputado do CDS negociou com o governo um pacote de medidas especiais para o concelho minhoto, numa altura em que o governo precisava de um voto no parlamento para aprovar o Orçamento de Estado. Ficou conhecido como o “deputado do queijo”, tendo originado imensas piadas e muito riso coletivo, provavelmente contagiando as vacas daquela bela e ainda virgem região minhota.
Como a BEL Portugal pertence ao grupo francês Bel, que sabe do ofício, o marketing foi feliz ao propor a criação do programa da marca “Terra Nostra”, que intitulou “Programa Leite de Vacas Felizes”. Como se não bastasse o nome do programa, deu-se ao cuidado de apontar cinco razões para se beber leite desta marca, com destaque para o facto de se tratar de leite de pastagens, legível na própria embalagem:
– Terra única – Açores – terra vulcânica onde a chuva atlântica rega os nossos pastos o ano inteiro;
– Bem-estar animal – as nossas vacas vivem felizes ao ar livre 365 dias por ano e não fechadas em estábulos;
– Erva fresca – as nossas vacas desfrutam de alimentação natural e saudável à base de erva fresca;
– Leite puro – leite de elevada qualidade, exclusivo de produtores do Programa de Leite de Vacas Felizes;
– Rico nutricionalmente – recolhido em menos de 24 horas para manter a sua frescura, este leite é naturalmente rico em proteína, cálcio e fonte de fósforo.
Resumindo, o programa assenta nas pastagens, bem-estar animal, qualidade e segurança alimentar e eficiência. Foi bem-sucedido, a ponto de ser premiado, recentemente, nos Troféus Luso-Franceses (22.ª edição), promovido pela Câmara do Comércio e Indústria Luso-Francesa.
Terá sido injusto se não mostraram o prémio às vacas felizes, que dão todos os dias mais que o “litro”. Deve fazer-se tudo para que se mantenham felizes. Os promotores, que gostam de testar coisas novas, esqueçam a música da Mariah Carey, os altifalantes a estragar o ambiente paradisíaco, ou sequer os vários meios de comunicação social por perto. Elas não gostariam de saber alguns destes factos, como mera exemplificação:
– desde 2011 fecharam 1620 balcões (da banca), em todo o país, a uma média de um balcão por dia; que a banca tem vindo a tremer e nesse período de tempo já perdeu cerca de 10.000 funcionários e que, como se não bastasse, a Caixa Geral de Depósitos vai dispensar mais 2.200 funcionários até 2020;
– o que está escrito no relatório da precariedade no Estado, que dá conta de 116.165 contratos temporários no Estado e nas empresas públicas e que não contempla os inúmeros falsos recibos verdes e recurso a “outsourcing”, havendo 55.974 contratos a termo, dos quais 26.133 é na Educação, 12.771 na Defesa Nacional, 11.180 na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e 3609 na Saúde, entre outros, dando o Estado um sinal muito negativo ao setor privado;
– o que está escrito no relatório do projeto “Saúde.come”, com a coordenadora Helena Canhão a dar conta da expressiva percentagem das famílias portuguesas sem acesso a uma boa alimentação, que provoca menos eficácia no estudo e no trabalho (assim não se pode exigir o “litro”), em que a falta de poder económico terá potenciado este problema, além da deficiente informação, o que origina uma espiral de problemas, que passa pelas doenças crónicas graves, como obesidade e diabetes;
– a necessidade do presidente da República vir a público chamar a atenção para a necessidade de se arranjarem estratégias de combate à pobreza, alguém se agita, momentaneamente, como tendo urticária, para ficar tudo na mesma;
– os vários processos em tribunal que se arrastam, estrategicamente ou pela complexidade dos processos, contra pessoas acusadas de corrupção, fraude fiscal e branqueamento de capitais, só faltando a tentativa de regular a despenalização da corrupção, como na Roménia;
– de ver a agê

ncia de rating Fitch elogiar o governo português pela sua capacidade de gerar consensos, congratular-se com a meta do défice conseguido e manter Portugal como “lixo”;

– a dualidade de critérios no seio da União Europeia (EU), que enfraquece e prejudica os Estados-membros mais frágeis, criando instabilidade na união monetária.
Mas, sinceramente, não creio que as vacas queiram deixar de ser felizes ao saber se o Banco Central Europeu diz se está preparado (ou não) para comprar dívida portuguesa e se detém atualmente 25,2 mil milhões de euros de ativos portugueses, continuando Portugal, progressivamente, a sua caminhada de endividamento, hipotecando o presente e o futuro. Sinceramente… não creio, pois também os portugueses não me parecem estar interessados nesse tipo de notícias. Sei que as vacas felizes estão a dar mais que o “litro” e estranho a baixa produtividade dos portugueses, evidenciada pelo Eurostat em 2011, colocando Portugal quase no fim da lista de países da UE, quanto a produtividade real por hora trabalhada. Estranho ainda mais, já que o estudo da Católica Lisbon School of Business & Economics, promovido pelo Observatório da Sociedade Portuguesa, em plena crise no país, concluiu que os portugueses sentem-se felizes (72%) e satisfeitos (67%) com a vida. Decididamente, parece que ninguém quer deixar de ser feliz e acho que é o caminho certo! Mas não à custa da falta de conhecimento / ignorância dos problemas, situação cómoda em que se fica sempre à espera que alguém resolva por nós.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.