Home>BIRD Magazine>AS MULHERES DE MERELIM QUE CAIRAM NAS SEPULTURAS
BIRD Magazine

AS MULHERES DE MERELIM QUE CAIRAM NAS SEPULTURAS

JOAQUIM DA SILVA GOMES
Nas diversas freguesias da nossa região têm ocorrido alguns episódios, que de tão caricatos tornam-se imprescindíveis recordar. Um deles ocorreu há exactamente 110 anos, na freguesia de São Paio de Merelim, do concelho de Braga. 
Tudo se passou no domingo de Ramos (dia 5 de Abril de 1903), quando muitos fiéis se encontravam no interior do templo religioso que existia nesta freguesia, e que era anterior à actual igreja de S. Paio de Merelim. 
Convém referir que, apesar de António Ribeiro Sanches, um notável médico português (1699-1783) que exerceu grande parte da sua actividade na corte imperial da Rússia, ter verificado, após o terrível terramoto de Lisboa de 1755, que eram grandes e muito perigosos para a saúde pública os enterramentos nos templos, o facto é que o nosso país só passou a ter uma tímida legislação sobre os cemitérios com os decretos de 21 de Setembro e 8 de Outubro de 1835, da autoria de Rodrigues da Fonseca Magalhães. Nestes decretos, o autor criticava violentamente os enterramentos nas igrejas, considerando-os próprios de uma “ignorância da Idade Média”.
Apesar disso, a maioria das populações no Minho continuava a enterrar os seus entes no interior das igrejas, tal como sucedia com a igreja de São Paio de Merelim. 
A igreja desta freguesia era um templo que tinha no seu interior imensas sepulturas. Tratava-se de sepulturas que se encontravam em adiantado estado de degradação, mas como estava a ser construída uma nova igreja na freguesia, os cuidados demonstrados pelas autoridades não foram os mais adequados. 
Nesse domingo de Ramos, verificou-se um desabamento de algumas dessas sepulturas, que podiam ter resultado num elevado número de mortos. Com o peso das pessoas que se encontravam no interior da igreja, quatro sepulturas desabaram, criando uma cratera de cerca de quatro metros de profundidade. Nessa cratera, imagine-se, caíram cerca de vinte mulheres, “ficando umas de pé, outras assentadas e outras ainda de cabeça para baixo, gritando desesperadamente por socorro”. (1) 
O pânico que se gerou foi de tal ordem, que a confusão foi imediata: os restantes fiéis, preocupados que o templo desabasse por cima das suas cabeças, desataram a correr igreja fora, provocando atropelos e muitos feridos e, inclusive, provocando danos no edifício. Aliás, a “porta principal da egreja, após o incidente, desaprumou, vendo-se uma das padieiras fôra do logar” (1).
No meio deste caos provocado pelas pessoas que fugiam para o exterior, as cerca de vinte mulheres que caíram nas quatro sepulturas tentavam assustadíssimas sair da cratera profunda, com medo que a igreja desabasse e aterrorizadas devido ao local onde se encontravam presas! 
Até o pároco da freguesia, reverendo José Marques Coelho, que se encontrava nesse momento a vestir-se na sacristia, saiu para o exterior da igreja, alarmado com tudo o que se estava a passar. 
Passados uns minutos, os ânimos começaram a serenar e foi então que vários indivíduos trataram de retirar as senhoras que se encontravam num local que tinham a certeza que iriam um dia parar, mas com certeza nunca imaginariam que lá fossem parar daquela forma.
O episódio das sepulturas que desabaram em São Paio de Merelim, freguesia que já pertenceu ao concelho de Prado (extinto em 24 de Outubro de 1855) e que já se chamou Merelim da Ponte ou S. Paio da Ponte, foi mantido no imaginário das pessoas da freguesia durante muito tempo. No entanto, com o passar dos anos, este episódio foi perdendo a sua importância e passado lentamente ao esquecimento. 
1) Jornal “Commercio do Minho”, de 7 de Abril de 1903.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.