Home>BIRD Magazine>ILÍDIO SARDOEIRA, UM PROFESSOR DISTINTO DE PONTA DELGADA
BIRD Magazine

ILÍDIO SARDOEIRA, UM PROFESSOR DISTINTO DE PONTA DELGADA

“Não sei coisas difíceis 
Nem as faço nos versos, com palavras. 
Difícil é ser simples
E é vestir as coisas de tal jeito
Que quem as veja, julgue que são nuas.”
(Ilídio Sardoeira)
CRÓNICA DE
TEÓFILO BRAGA
Ilídio Ribeiro Sardoeira nasceu na freguesia de Canadelo, no concelho de Amarante, no dia 12 de novembro de 1915 e faleceu em Vila Nova de Gaia no dia 28 de novembro de 1987.
Licenciado em Ciências Biológicas, foi professor de Biologia, ensaísta, poeta, pedagogo, professor metodólogo e, a seguir ao 25 de abril de 1974, inspetor-orientador. Foi assistente da Universidade do Porto, tendo sido demitido pelo regime salazarista.
Depois do 25 de abril, teve alguma participação política, tendo sido Vereador da Cultura da Câmara Municipal de Amarante e deputado à Assembleia Constituinte pelo MDP/CDE.
Para além do mencionado nos parágrafos anteriores, Ilídio Sardoeira, também, se dedicou ao jornalismo, tendo sido diretor da “Voz do Marão” e de “Alma Nova” e colaborou com outras publicações com destaque para as revistas “Vértice”, “Seara Nova”, “Labor”, “Lusíada” e “Átomo”.
Foi autor de muitos livros, de que destacamos, a título de exemplo, os seguintes: “A minha Aldeia”, “Pascoaes – um Poeta de sempre”, “Provas”, “História do Sangue””, “Nota à margem de dois livros”, “Influências do Principio da Incerteza no Pensamento de Pascoaes”, “O vulcão dos Capelinhos: alguns aspetos humanos” e “ A origem da Vida”.
O livro “A origem da vida”, que ainda hoje é possível adquirir em alfarrabistas ou através da internet, foi um dos que foi publicado pela Biblioteca Cosmos que foi dirigida pelo insigne matemático Bento Jesus Caraça e tal como os restantes da coleção teve a pretensão de “contribuir para a expansão da cultura científica em Portugal”, inscrevendo-se “numa matriz ideológica de feição dita progressista, com evidentes laivos de utopia”. Para além de Ilídio Sardoeira colaboraram com a Biblioteca Cosmos vários vultos da cultura científica internacional e portuguesa. Dos portugueses, destacamos, entre outros, o médico Abel Salazar, o pensador e pedagogo António Sérgio, o professor e político Henrique de Barros, o matemático Rui Luís Gomes e o professor, pedagogo e poeta Rómulo de Carvalho (António Gedeão).
Como já escrevemos, Ilídio Sardoeira colaborou na revista Vértice, surgida em Coimbra em 1942, tanto antes como depois do 25 de abril de 1974, sendo o seu nome incluído, por Armando de Castro, no dos autores “que se reclamam do marxismo ou que no campo estético eram por ele influenciados. Entre os citados, mencionamos os seguintes: Joaquim Namorado (poeta), Mário Dionísio (professor, escritor e pintor), Mário Sacramento (médico e escritor), António José Saraiva (professor e historiador de literatura portuguesa), Fernando Lopes-Graça (maestro e compositor), Flausino Torres (historiador), e A. J. Avelãs Nunes (professor de Direito).
Com a promessa de que voltaremos a escrever sobre o professor Ilídio Sardoeira, deixamos a opinião de dois alunos seus:
“…era um homem culto – dava umas aulas de Ciências Naturais espantosas e também nos encorajava em atividades «circum-escolares», como as do círculo cultural” (José Medeiros Ferreira)
“Como professor de ciências naturais, dava muito mais importância à prática, incutindo-nos o gosto pela observação e pela limitada experimentação para que tinha magros recursos. Boa parte das nossas aulas era de campo, muitas vezes ao fim de semana, calcorreando a ilha em cata de exemplares da flora e da fauna típicas da Macaronésia. A matéria do programa que a estudássemos no livro, que era para isso que o tínhamos, compensando esse estudo pessoal com uma ou outra sessão de “tirar dúvidas”. Mas muito mais lhe devemos, eu e os meus colegas, de que aqui ficam só alguns exemplos: as aulas teóricas em que se tratavam de todos os assuntos menos ciências naturais, fosse a poesia de Pascoais, as ideias essenciais da teoria da relatividade, os perigos da guerra nuclear, a vida e obra de Ghandi, eu sei lá que mais.” (João Vasconcelos Costa)
(Correio dos Açores, 31198, 5 de abril de 2017, p. 14)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.