Home>BIRD Magazine>TENHO UMA VIZINHA MUITO BARULHENTA
BIRD Magazine

TENHO UMA VIZINHA MUITO BARULHENTA

ELISABETE SALRETA
Tenho uma vizinha muito barulhenta.
Logo de manhazinha, pouco depois do nascer do sol, já ela deu a volta à casa. Pelos barulhos que oiço no andar de baixo, já desarredou todos móveis, sacudio todos os tapetes, que devem estar agora no sítio correcto, e já fez uma esfrega de cima a baixo. Imagino a geraldina que acontece todos os dias naquela casa.
O pior é que não deixa ninguém dormir. Depois do meio da manhã, nada se escuta naquela casa até à chegada da D. Lurdes. Provavelmente a vizinha barulhenta, também sai para trabalhar.
Lá está ela novamente. Desta vez na casa de banho. Aquela banheira deve estar bem suja pois só se escutam barulhos de esfrega e escovas a cair. Será que ainda tem tinta?
Depois corre da ponta da casa à outra ponta. Deve ser a vassoura, pois escuta-se o raspar no chão. São móveis a arrastar? Pum! Foi uma caixa que caiu. Hoje é dia de rebuliço, está visto.
Encontrei a D. Lurdes na escada e perguntei pela vizinha que com ela morava, pois apesar de tanto a ouvir, nunca a tinha visto. A D. Lurdes ficou muito admirada pois disse morar sozinha.
Insisti. Teria de haver mais alguém lá em casa. Falei das correrias, da vassoura a raspar no chão, do arrastar dos móveis, logo pela manhã.
E que ficasse bem claro que o pior de tudo, era a esfrega que a banheira levava todos os dias. Sem querer ferir suscetibilidades, escondi o olhar e perguntei à vizinha se estaria assim tão suja todos os dias?
D. Lurdes pensou durante um pouco e gargalhou a bom gargalhar. A sra. Quase que caía, enrolada de tanto rir. E eu a olha para ela.
Convidou-me para ir a sua casa conhecer a vizinha barulhenta de quem eu tanto falava.
Entrei a medo, não fosse a senhora ser violenta e mandar-me com uma caçarola a cima. D. Lurdes, ainda a rir-se, levou-me até à sala e apresentou-me a fazedora de tantos ruídos que não me deixavam dormir a manhã. Ali, no sofá, bem refastelada a dormir o sono dos justos, estava uma gata preta e branca. Era um animal enorme, possante. Compreendi os barulhos que ouvia. As correrias pela casa, o raspar com as unhas no chão que me pareciam ser uma vassoura, ou ruídos que nada mais eram que ela a brincar, o arrastar dos móveis que seria quando ela esbarrava em alguma mesa ou cadeira. Tudo ficou claro naquele momento. Olhei para aquele animal a dormir tão pacificamente e perguntei-me como seria possível. Timidamente perguntei pela banheira. Fui ver. Estava imaculada. Dentro dela estavam os brinquedos que a Mimi para lá levava. Os seus pinotes e cabriolas, provocavam todo aquele barulho. Sozinha, após a saída da sua tutora para o trabalho, a casa era só sua. Tinha de se exercitar para que à noite fosse um doce de gata bem-comportada. Até cair no sono, exausta.
No outro dia de manhã, quando a azafama começou, gritei – Mimi, está quieta! – parou por um momento e recomeçou a sua jornada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.