Home>Em Destaque>A DEMÊNCIA E A INTERVENÇÃO COM A PESSOA DEMENTE
Em Destaque Saúde e Vida

A DEMÊNCIA E A INTERVENÇÃO COM A PESSOA DEMENTE

A demência é um processo orgânico cerebral caracterizado por uma perturbação da memória, associada a pelo menos um défice cognitivo, representando um declínio em relação ao nível prévio de funcionamento (Fernandes et al, 2011; Hay, J., 2001). Este declínio das funções cognitivas está também associado a uma alteração de comportamento, determinando um declínio nas Actividades de Vida Diária (Fernandes et al, 2011). Como critérios de diagnóstico referem-se o défice de memória, das funções cognitivas, do controle emotivo ou alterações de comportamento (labilidade emocional, irritabilidade, comportamento social inadequado); dificuldade nas funções ocupacionais ou sociais; declínio do nível anterior de funcionamento; o défice cognitivo deve ter uma duração superior a seis meses (Fernandes et al, 2011).

No ano de 2013 os dados revelam cerca de 44.4 milhões de pessoas com demência em todo o mundo. Este número aumentará para 75.6 milhões em 2030 e 135.5 milhões em 2050 (Alzheimer Disease International: Dementia Statistics, n.d.).
A nível Europeu, afecta, em geral, pessoas idosas com uma prevalência 1,6% aos 65 anos e de 20.9% aos 85 anos (Alzheimer Europe: Prevalence of Dementia in Europe, 2013).

Em Portugal, dados do EuroCode (2009) evidenciam que o número total de doentes prováveis com demência era de 153.00 (Fernandes et al, 2011). A este nível é referenciado que dois terços das pessoas idosas com demência estão institucionalizados (Figueiredo et al, 2013).

Na última década a literatura tem evidenciado que o conhecimento sobre as necessidades de saúde e de reabilitação (que engloba a estimulação cognitiva, multissensorial e motora) da população com demência é insuficiente (Barbosa et al, 2011; Sánchez et al 2012). No entanto, a associação à farmacologia de abordagens não farmacológicas, constituídas essencialmente pela estimulação cognitiva, multissensorial e motora, tem vindo a aumentar, principalmente em estados mais avançados da demência (Figueiredo et al, 2013; Sánchez et al 2012).

A estimulação motora caracteriza-se por um conjunto específico de exercícios que aumentam a mobilidade e retardam o declínio na realização das actividades de vida diária; a estimulação multissensorial activa os sentidos, sem recurso a processos cognitivos complexos, como a memória e a aprendizagem, e tem demonstrado reduzir as alterações de comportamento (como a agitação ou a apatia), aumenta os períodos de atenção e aumenta a comunicação e interacção das pessoas com demência (Bauer et al, 2012; Cruz et al, 2011; Figueiredo et al, 2013; Marques et al, 2012; Sánchez et al 2012).

Vários estudos têm explorado estratégias de intervenção não farmacológica em dois principais campos: programas de intervenção com pessoas com demência com base na estimulação multissensorial e motora; e programas de formação aos funcionários das instituições dotando-os de competências de trabalho para com esta população (sendo avaliado a aplicação do aprendizado nas rotinas diárias com estes doentes) (Bauer et al, 2012; Cruz et al, 2013; Cruz et al, 2011; Figueiredo et al, 2013; Sánchez et al 2012).

Facto é que, cada vez mais, o trabalho com a pessoa demente deve ser realizado por quem está preparado e formado para tal. Trabalhar e intervir com um doente com demência é bem diferente de trabalhar e intervir com doentes com outros diagnósticos e torna-se cada vez mais importante consciencializar todos para isso.

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

  • Alzheimer Disease International: Dementia Statistics. (n.d.). Retrieved 14 de Maio, 2014, from http://www.alz.co.uk/research/statistics
  • Alzheimer Europe: Prevalence of Dementia in Europe. (2013). Retrieved 14 de Maio, 2014 from http://www.alzheimer-europe.org/Research/European-Collaboration-on-Dementia/Prevalence-of-dementia/Prevalence-of-dementia-in-Europe
  • Barbosa, A. L., Cruz, J., Figueiredo, D., Marques, A., & Sousa, L. (2011). Cuidar de Idosos com demência em instituições: competências, dificuldades e necessidades percepcionadas pelos cuidadores formais. Psicologia, Saúde & Doença, 12(1), 119-129.
  • Bauer, M., Rayner, J., Koch, S., & Chenco, C. (2012). The use of multi-sensory interventions to manage dementia-related behaviours in the residential aged care setting: a survey of one Australian state. Journal of Clinical Nursing, 21, 3061–3069.
  • Cruz, J., Marques, A., Barbosa, A., Figueiredo, D., & Sousa, L. X. (2013). Making Sense(s) in Dementia: A Multisensory and Motor-Based Group Activity Program. American Journal of Alzheimer’s Disease and Other Dementias, 00(0), 1-10.
  • Cruz, J., Marques, A., Barbosa, A. L., Figueiredo, D., & Sousa, L. (2011). Effects of a Motor and Multisensory-Based Approach on Residents with Moderate-to-Severe Dementia. American Journal of Alzheimer’s Disease and Other Dementias, 26(4), 282-289.
  • Figueiredo, D., Barbosa, A., Cruz, J., Marques, A., & Sousa, L. (2013). Empowering Staff in Dementia Long-Term Care: Towards a More Supportive Approach to Interventions. Educational Gerontology, 39: 413–427.
  • Fernandes, L., Pereira, M. G., Pinto, L. C., Firmino, H. & Leuschner, A. (2011). Jornadas de Gerontopsiquiatria (1ª ed.). Águeda: Artipol – Artes Topográficas, Lda.
  • Figueiredo, D., Barbosa, A., Cruz, J., Marques, A., & Sousa, L. (2013). Empowering Staff in Dementia Long-Term Care: Towards a More Supportive Approach to Interventions. Educational Gerontology, 39: 413–427.
  • Hay, J. (2001). Doença de Alzheimer e Demência (1ª ed.). Lisboa: Plátano Edições Técnicas.
  • Sánchez, A., Millán-Calenti, J. C., Lorenzo-López, L., & Maseda, A. (2012). Multisensory Stimulation for People With Dementia: A Review of the Literature. Am J Alzheimers Dis Other Demen, 28(1) 7-14.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.