Cidadania e Sociedade

SER MÃE

MÁRCIA PINTO
Sou professora, sempre me imaginei sê-lo desde que me conheço e, modéstia à parte, acho que sou boa profissional!…
No entanto, aos 30 anos descobri a profissão que me preenche, que me faz sentir que a minha existência tem um sentido verdadeiro e válido. Há quem o considere o trabalho mais difícil à face da Terra, outros delegam as suas funções para terceiros, seja por necessidade ou meramente por ser mais fácil…
Ser mãe!… É sem dúvida o melhor e maior desafio da vida de uma mulher!
Ser mãe é estar “ao serviço´´ 24 horas por dia, 7 dias por semana.
É estar acordada quando o resto do mundo dorme. É amamentar durante a madrugada, mesmo quando o sono nos tenta vencer.
É cheirar a leite durante vários meses (e detestar!). E ficar cheia de saudades de dar o peito, quando o filho desmamar.
Ser mãe é aprender a trocar as fraldas em qualquer local, com ou sem luz….
É preparar a primeira papinha como se de um manjar dos deuses se tratasse, é comer a comida fria, ou mesmo deixar de comer, para dar a nossa parte ao nosso filho.
Ser mãe é querer que o filho gatinhe e finalmente consiga andar. E quando ele aprende a correr, sentir saudades do calor do seu pequeno corpo quando ficava o dia todo no meu colo.
É passar a noite a segurar a mão do nosso bebe, para ter a certeza de que a febre passou, é morrer de vontade de chorar ao ver o nosso filho doente, mas manter o sorriso para que ela não se preocupe.
É acordar cansada, depois de uma noite mal dormida e apesar disso, fazer tudo da mesma maneira: dar banho, comida, brincar, trabalhar, cuidar da casa, e adormecer o nosso filho.
É exercitar a paciência diariamente. E perdê-la de vez em quando, entre uma crise de birra e outra.
Ser mãe é ouvir do nosso filho as mesmas palavras que lhe ensinamos e perceber que não basta falar, é preciso dar o exemplo.
Ser mãe é sentir culpa por ter que voltar ao trabalho e aprender que, com duas mãos, é possível executar muito mais do que duas tarefas. Atender o telefone, empurrar o carrinho, abrir a porta, escrever um bilhete, e dar a última colherada do prato, são só alguns exemplos…
Deste modo, sentir aquela mãozinha tão pequena e tão forte, que segura a minha como se quisesse dizer: “eu estou aqui, agora não estás sozinha!”, dá-me força para seguir em frente, mesmo quando o caminho é difícil de trilhar.
É muito bom acordar de manhã com um abraço apertado, como se não nos víssemos há muitos anos! O mesmo acontece ao fim do dia, quando chego do trabalho.
Ser mãe é emocionar-me quando dizes ou fazes algo que vai de acordo aos valores que te tento passar todos os dias, é ter a casa cheia de risadas e de gritos de felicidade e relembrar como se brinca com carrinhos de bonecas, de esconde-esconde, de cabeleireiras…
Ser mãe é tentar ser uma pessoa melhor a cada dia porque mereces uma mãe que se esforce todos os dias para ser melhor.
Neste sentido, fui abençoada com uma princesinha há 5 anos e a partir daí as prioridades começaram a ser outras, deixei de ser eu para seres tu sempre em primeiro lugar…
Para mim, ser mãe é descobrir que o meu coração tem um espaço infinito e que quanto mais a amo, mais amor tenho para lhe dar.

2 thoughts on “SER MÃE

  1. Márcia é sempre bom ler os teus artigos. São simples, profundos e são reproduções do teu Ser.
    Na escrita como na vida o que é verdadeiro sente-se! Ao ler-te sinto esse espelho do que és! Parabéns!

    1. Grata pelo comentário! Fico contente ao perceber que na escrita consigo transmitir aquilo que penso, aquilo que sou…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *