Home>Saúde e Vida>MITOS E VERDADES NA MEDICINA DENTÁRIA – PARTE II
Saúde e Vida

MITOS E VERDADES NA MEDICINA DENTÁRIA – PARTE II

O mau hálito é problemas de estômago.

MITO

O mau hálito pode ter origem local (na boca), sistémica ou ainda os dois fatores associados. Salvo algumas patologias graves, problemas gástricos não provocam mau hálito. Em geral, o mau hálito é provocado por problemas decorrentes de uma higiene oral deficiente (por exemplo não usar o fio dentário) ou infeção nas vias aéreas superiores.

Os branqueamentos dentários desgastam a estrutura do esmalte.

MITO

Os atuais sistemas de branqueamento dentário são seguros e eficazes e o seu processo atua nas partículas que modificaram a cor do dente sem provocar qualquer tipo de desgaste ou dano na estrutura dentaria.

Se o dente de leite do meu filho não cair sozinho, não devo preocupar-me.

MITO

Os dentes de leite são temporários e servem como guia para a erupção dos dentes permanentes. Se estes não caírem sozinhos é necessária uma avaliação para evitar possíveis desalinhamentos dentários na dentição permanente.

A mulher perde cálcio dos dentes durante a gravidez, o que pode enfraquecê-los ou provocar o aparecimento de caries.

MITO

O cálcio necessário durante a gravidez é captado na estrutura óssea da mulher e nos alimentos ingeridos pela mesma. O aparecimento de cáries durante a gestação está frequentemente associado ao descuido na higiene oral diária ou também à acidez do pH da saliva, nos casos em que a grávida sofre de vómitos, refluxo ou azia. É muito importante que neste período todas as grávidas façam uma consulta de rotina para prevenir problemas orais.

Não se deve continuar a escovar os dentes quando as gengivas sangram.

MITO

O sangramento gengival é um sinal de alerta de inflamação pela presença de bactérias nesse local. Deixar de escovar junto a gengiva só irá agravar a situação. Aconselha-se sempre uma consulta de higiene oral para remoção dos resíduos (placa bacteriana ou tártaro) causadores da inflamação e para ser instruído sobre a melhor forma de escovagem.

O uso duma escova dura ou escovar com muita forca permite ter uma melhor higiene oral.

MITO

A escovagem dos dentes por ação mecânica pode desgastar o esmalte, ao longo do tempo, quando e feita com uma escova dura ou com muita forca. Ao contrário do que se possa pensar, e muito mais importante a forma como se escova do que o tipo de escova que se usa. O desgaste traumático que ocorre origina, com frequência, o aparecimento de sensibilidade dentária e retrações gengivais. É importante que estas situações sejam detetadas a tempo, pelo que as consultas de rotina serão essenciais.

As consultas de remoção do tártaro (“limpezas”) regulares desgastam o esmalte.

MITO

Os descuidos na higiene oral (não usar fio dentário regularmente ou executar uma má técnica de escovagem) podem acelerar a formação e acumulação de tártaro. O período de intervalo entre consultas para a sua remoção é, regra geral, de 6 meses, no entanto podem ser necessários intervalos mais curtos. O desgaste do esmalte não ocorre uma vez que o instrumento utilizado funciona por vibrações (ultrassons) e não perfura a superfície dentária (como por exemplo, a broca).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *