Home>Arte>ABRIGA-ME
Arte CULTURA+LITERATURA+FILOSOFIA

ABRIGA-ME

Dos sentimentos brotam palavras, as palavras exalam sentimentos e somos todos abrigados num manto universal e transversal de valores, emoções e sensações.

“Abriga-me”  exalta a importância do amor e da amizade e a sua relevância no percurso individual de cada um de nós durante a caminhada pela vida. Vida inconstante, atribulada, com percalços mas apaziguada pela presença do outro. No reconhecimento do outro como espelho de nós próprios. Na certeza que teremos sempre alguém que nos dará a mão. Na certeza que nunca devemos desistir de lutar.

Abriga-me

Vivemos pendurados em sonhos e expectativas

Balançando ao sabor do vento, das vidas, das vivências, das aventuras e desventuras, dos mandatos do coração e da nossa mente.

Passado, presente e futuro.

Caminhamos numa longa estrada, uma estrada indefinida, uma longa estrada com tantos caminhos. Quais seguir? Por certo, nunca saberemos ou saberemos quando lá chegarmos.

Tudo começa pequenino…

Pequenino é o menino

Pequenina é a menina

Mas já longo o caminho…

Sonhos coloridos: o mundo é um balão que cabe na sua mão

Sonhos flutuantes:  caleidoscópio colorido onde cores cintilantes dançam radiantes

Sonhos pequeninos, que gigantes se tornarão, levados pela vida no meio de um turbilhão

Caminha, caminha, caminha …

 

A caminhada continua, na longa estrada amarela

Os sonhos cresceram ou apenas mudaram

Tropeça, cai, recomeça

Leva um encontrão, não esperava, desconcerta

Conserta, levanta, cabeça erguida

A estrada deve ser seguida…

Esta cidade que o acolhe é a mesma que o encolhe, esta cidade que  é clareada por luzes cintilantes é a mesma que o entrega à solidão, esta cidade de barulhos é a  mesma que escuta os seus  silêncios…

No seu inconstante caminho encontra sorrisos, encontra mágoa, encontra palavras de reconforto, encontra o vazio, encontra mãos amigas, encontra semblantes fechados, encontra a chuva e encontra o sol, encontra os outros, encontra-se a si…

Caminha, caminha, caminha…

 

Os sonhos parecem distantes, hesitantes, perdidos

Sonhos que com dissabores se fundiram.

No entanto, nunca os sonhos devem ser esquecidos

E nas mãos de uma criança se expandiram

Procura algo ou alguém, procura a luz ao fundo túnel, procura algo a que possa chamar casa.

Cada ser é especial, cada sonho é especial, cada vida é especial.

 

Quando me sentir sozinho, abriga-me

Quando o mundo virar ao contrário, abriga-me

Quando perder a esperança, abriga-me

Quando quiser desistir, abriga-me

Abriga em ti, em mim, em nós: todos os sonhos do mundo.

Para- ti que percorreste a longa estrada amarela e te encontras além do arco-íris…

Para nós a estrada continua…

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.