Home>Lifestyle>PIQUENIQUE EM FAMÍLIA
Lifestyle

PIQUENIQUE EM FAMÍLIA

Há poucos dias fui convidada por uma amiga para participar num piquenique junto da sua família.

Integrar uma atividade ao ar livre, repleta de comida e dois dedos de conversa, pareceu-me uma boa decisão de início de verão.

Chegada a hora marcada, fiz-me pontualmente presente no local acordado, ainda que os bocejos dessem conta de mim.

O horário laboral continua a imprimir um impreterível despertar às seis da manhã, agora seguido de um preguiçoso levantar.

Radiante, buzinou ao longe mal me viu e acenou colocando a mão por fora do vidro.

Retribuí o gesto com um enorme sorriso, afinal de contas estava por começar uma aventura ao sabor quente de um dia que se previa de intensa harmonia.

– Miúda, vamos embora! – gritou entusiasmada.

De imediato, saltei para dentro do carro e pousei a mochila no colo.

– Onde estão todos? – questionei intrigada.

– Foram andando para organizar as coisas! – disse com uma cúmplice piscadela de olho.

– Levo aqui o bolo. Espero que chegue inteiro. – duvidei de olhos arregalados.

– Não te preocupes com isso. Houve quem estivesse a fritar rissóis toda a noite. – devolveu o olhar.

– Rissóis! Não como rissóis deste que supostamente entrei de dieta em julho… do ano passado! – tentei convencer-me a mim mesma desta tão ambicionada ilusão, porém, sem efeito.

A gargalhada foi geral e bem audível.

Seguimos descontraídas falando sobre um pouco de tudo e nada: trabalho, férias tão aguardadas, trabalho, planos para as próximas semanas, trabalho, desejos de consumo em algodão tecidos, trabalho e por fim o piquenique.

Ah! O piquenique…

Nada me poderia preparar para o que estava por vir.

À chegada, fomos logo rececionadas por crianças a correr de um lado para o outro com as bocas sujas de chocolate e balões de água nas mãos.

Os meus pés tomaram banho logo ali!

Isso mesmo!

Aqueles “priminhos” marotos, momentaneamente emprestados, deram a conhecer toda a sua irreverência.

Que seria dos adultos sem crianças alegres e livres a correr a toda a velocidade sem destino nenhum?!

Um a um, cumprimentei todos os presentes que me saudaram com agrado.

Gente simpática e afável que amavelmente me quis alimentar para o resto do ano.

Declinados alguns dos recipientes estendidos, onde olhos brilhantes e gulosos repousavam a gula, foi tempo de caminhar pelo espaço.

Eis, então, que reparei melhor naquela figura!

Sentado no chão, à sombra de uma das árvores e por cima de uma manta garrida, estava um homem de uma certa idade, o avô.

Tinha uma cara muito redonda e uma careca que reluzia ao sabor das pequenas gotinhas de calor.

Usava umas meias turcas de cor branca, as famosas meias de raquetes, e uns chinelos de dedo.

Aproximei-me, curiosa sobre a razão de ser de tal peça de vestuário onde não repousava a vista faz já muito tempo.

Reparou, evidentemente, na minha expressão facial e depressa fez saber que aquelas meias eram muito importantes para si.

Tem muitas que costuma comprar nas feiras. Algumas coloridas. Outras descosidas.

Segundo mencionou, calça-as indiscriminadamente a toda a hora pois revelou sentir frio nos membros inferiores sendo esta uma forma de proporcionar também algum conforto aos seus joanetes.

Confidenciou-me que outrora trabalhara como jardineiro.

Adorava flores e sabia muitos dos seus nomes, alguns dos quais, desconhecidos para o comum dos mortais.

Agora já pouco remexe a terra pois não consegue permanecer de pé durante o tempo necessário sendo o esforço demasiado intenso para si.

Mas do que não gostava mesmo nada era de catos!

Referiu que os catos são plantas muito peculiares que só se dão em ambientes hostis e secos onde impera a luta pela sobrevivência.

Detentor de tão avançada idade, prefere a doçura de uma camélia.

– Sabe, menina, as camélias vermelhas significam reconhecimento, as camélias cor-de-rosa simbolizam grandeza de alma e as camélias brancas são uma alusão à beleza perfeita. Não gosto da frieza com que os espinhos dos catos nos mantêm à distância ou nos magoam quando deles, por distração, nos aproximamos!

E assim fui brindada, numa calorosa e quente tarde de verão, com uma breve lição onde a sabedoria da idade e a experiência de uma vida passada em contacto com a natureza, me elevou, e muito, o espírito!


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.