Cultura, Literatura e Filosofia

O PRECONCEITO MUSICAL

Em todos os ramos da sociedade existem “partidos” com pessoas que defendem ideais sem percebem o porquê de o fazerem. Para ser sincero, o facto dessa mentalidade estar presente em algo tão belo com a Música deixa-me desolado. Não quero estar sempre a ser negativo, até porque as histórias têm sempre dois lados, contudo há que sensibilizar as pessoas destes factos.

Estamos num mundo em que tudo é criticado ao máximo, em que vivemos com o desenvolvimento feroz das tecnologias e da dependência das redes sociais. Isto cria cada vez mais fricções entre diversos “grupos” criados por estas constantes mudanças, vai-se lá saber porquê, sendo a Música mais uma vítima no meio de tantas áreas feridas. O que estou a observar constantemente é uma guerra entre géneros musicais. Sim, leram bem.

Ouço, leio e vislumbro frases como estas: Ai, eu só ouço Jazz. Já eu só mesmo Musica Erudita e tem de ser do Período Barroco.

Até aqui tudo bem, eu compreendo que todos tenhamos os nossos gostos, ninguém é igual e ainda bem, só ficamos mais enriquecidos por existir cada vez mais variedade para os nossos sentidos saborearem. Compreendo também que quem é Músico deve exigir qualidade no que ouve, o que felizmente existe em quantidade vasta neste mundo e em tantos estilos diferentes. O que eu não compreendo são as pessoas que não conseguem ter um espírito aberto e restringem todo o seu potencial defendendo uma ideologia que só pode ser intitulada de ridícula.

Conto-vos rapidamente algo que se passou comigo enquanto estudante. Estava no Conservatório à espera que uma das minhas aulas iniciasse e para passar o tempo pus-me a ouvir algumas músicas variadas, mas que não eram incluídas no Mundo “Erudito”. Nisto, aparece um outro aspirante a Músico que me diz o seguinte: Ui, tu ouves isso? Já pensaste antes em ouvir umas Árias ou umas Cantatas? Isso não vale nada.

Fiquei sem palavras. Um estudante de Música, com uma visão tão fechada, a fazer troça de outros colegas por ouvirem outras coisas, só porque não era o que devia “ouvir”. Dizemos que somos uma sociedade livre e em coisas que não significam nada vemos este tratamento entre pessoas que deviam lutar pelo mesmo objetivo. Nunca me esqueci desse momento. Como disse atrás, não há problema nenhum em gostarem mais de uma coisa do que outra, é completamente normal, mas obrigar alguém a ser como tu só porque tu dizes que tem de ser assim, não faz sentido nenhum, só fecha completamente a tua visão e impede-te de apreciares pessoas super talentosas só porque elas não fazem parte daquele “género” que é o único que ouço. É quase como se um futebolista não pudesse ver uma prova de Ciclismo, um jogo de Andebol, só porque não é o Desporto que ele pratica. Não faz o mínimo de sentido. Só queria  que o mundo da Música não fosse mais uma vítima da nossa sociedade atual, fraccionado por interesses parvos e mentalidades ultrapassadas.

Quando me perguntam, como Músico, qual é o teu estilo de música favorito? A minha resposta é sempre a mesma, boa música!

E este, meus amigos, é o meu conselho para todos vocês, especialmente para quem é parte integrante da Música. Existem tantos talentos incríveis que expressam-se de tantas e variadas maneiras, se ouvirem algo que vos toque, que vos faça sentir algo, que expresse aquilo que estão a passar na vida, ouçam, aproveitem, desfrutem, não liguem a “Partidos Musicais” nem a afiliações sem nexo. O preconceito existe muito na Sociedade, não deixem é que corrompa a Arte que todos nós tanto adoramos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.