Home>Saúde e Vida>ACTIVIDADE FÍSICA COMO UM ALIADO CONTRA O CANCRO
Saúde e Vida

ACTIVIDADE FÍSICA COMO UM ALIADO CONTRA O CANCRO

Nos últimos anos, temos sido confrontados com dois tipos de informação. Uma dessas informações, negativa, tem a ver com o facto de neste momento o cancro ser a segunda causa de morte por doença em Portugal. A segunda informação prende-se com o crescente estudo dos estilos de vida e do seu impacto na saúde dos indivíduos. Neste caso, o impacto da variável actividade física e toda a evidência científica que tem daí surgido. Muita dessa evidência científica associa directamente a actividade física, ou a falta dela, á prevenção ou diminuição do risco de cancro. Esta associação faz da actividade física ou forte aliado contra o cancro.

Enquanto se pensava que o cancro estaria fortemente ligado a factores genéticos, hoje conhece-se que são os factores de risco modificáveis como: obesidade, má nutrição e inactividade física responsáveis pela maioria dos cancros (Carlos S, 2014). Isto são também boas notícias porque esses factores são modificáveis, neste caso, o nível de actividade física.

Com estudos de epidemiologia, sabe-se que quem participa em actividade física regular tem uma redução no risco de cancro de mais de 20% e a actividade adicional só faz aumentar essa mesma redução (Schrack, Gresham, & Wanigatunga, 2017). Por exemplo, um atleta de elite exposto a exercício físico intenso, tem um risco diminuído de cancro de 40% (Hofmann, 2018). Essa redução do risco é igualmente importante quando hoje em dia as taxas de sobrevivência de cancro aumentaram bastante, fazendo com que nessas pessoas, seja importante diminuir o risco de haver um novo diagnóstico/ reincidiva (Garcia & Thomson, 2014). Particularmente, porque é neste último grupo de pessoas que os seus níveis de actividade diminuem consideravelmente.

As razões pelas quais o estilo de vida activo é tão importante e tem resultados prendem-se pelo facto de que reduz factores de risco para o cancro tais como: a regulação de hormonas sexuais, insulina e marcadores inflamatórios assim como previne o excesso de peso e potencia o sistema imunitário (Kushi et al., 2012). Factores estes que potenciam o risco de cancro e sua diminuição baixa a probabilidade de contrair ou que reincida.

Mas para que haja reais efeitos, os níveis de actividade deverão ser moderados a intensos, sendo o nível intenso que apresenta os maiores efeitos na redução do risco (Hofmann, 2018). É aconselhado que seja realizado pelo menos 30 minutos de actividade física moderada a intensa, pelo menos 5 dias por semana.

Quando nos referimos a actividade física moderada estamos a referir-nos por exemplo: a uma caminhada rápida, dançar, andar de bicicleta ou yoga. No caso de ser actividade física intensa, por exemplo: uma corrida, andar de bicicleta com uma maior velocidade, natação, artes marciais ou futebol (Kushi et al., 2012).

E os benefícios não se estendem apenas á diminuição do risco de cancro. Também pacientes que são sujeitos a tratamento, tendem a ficar melhor a nível físico, atingindo um peso ideal e melhorando a sua capacidade física assim como o seu bem-estar psicossocial, diminuindo a sensação de fadiga e depressão (Grazioli et al., 2017).

Por tudo isto, a mudança para um estilo de vida mais saudável que englobe a prática de exercício físico regular é altamente vantajosa. É verdade que, nenhum estilo de vida garante uma total protecção contra qualquer tipo de doença, mas o que estamos a falar é da probabilidade diminuída de que essa doença poderá ocorrer. Esse sim, é o principal benefício que a integração de estilo de vida mais saudável pode representar, beneficiando a população saudável e até mesmo quem tenha tido já um diagnóstico de cancro.

Bibliografia
Carlos S, d. I. J., Hanley M, Martínez-González MÁ. (2014). The use of expensive technologies instead of simple, sound and effective lifestyle interventions: a perpetual delusion. J Epidemiol Community Health, 68(9), 897-904.
Garcia, D. O., & Thomson, C. A. (2014). Physical activity and cancer survivorship. Nutr Clin Pract, 29(6), 768-779. doi: 10.1177/0884533614551969
Grazioli, E., Dimauro, I., Mercatelli, N., Wang, G., Pitsiladis, Y., Di Luigi, L., & Caporossi, D. (2017). Physical activity in the prevention of human diseases: role of epigenetic modifications. BMC Genomics, 18(Suppl 8), 802. doi: 10.1186/s12864-017-4193-5
Hofmann, P. (2018). Cancer and Exercise: Warburg Hypothesis, Tumour Metabolism and High-Intensity Anaerobic Exercise. Sports (Basel), 6(1). doi: 10.3390/sports6010010
Kushi, L. H., Doyle, C., McCullough, M., Rock, C. L., Demark-Wahnefried, W., Bandera, E. V., . . . Physical Activity Guidelines Advisory, C. (2012). American Cancer Society Guidelines on nutrition and physical activity for cancer prevention: reducing the risk of cancer with healthy food choices and physical activity. CA Cancer J Clin, 62(1), 30-67. doi: 10.3322/caac.20140
Schrack, J. A., Gresham, G., & Wanigatunga, A. A. (2017). Understanding physical activity in cancer patients and survivors: new methodology, new challenges, and new opportunities. Cold Spring Harb Mol Case Stud, 3(4). doi: 10.1101/mcs.a001933

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.