Home>Saúde e Vida>THE WORKING DEAD: CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DO BURNOUT
Saúde e Vida

THE WORKING DEAD: CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DO BURNOUT

Um estilo de vida acelerado, exigências pessoais e profissionais elevadas, competitividade, estímulos e tarefas em número crescente (mas de necessidade questionável)… Enfim, a fotografia do mundo moderno e ocidental pode resumir-se numa palavra: stress.

O stress é a resposta fisiológica do nosso organismo a estímulos externos. Do ponto de vista evolutivo, os mecanismos que são acionados são os de luta e fuga, que numa situação de perigo eminente nos fazem lutar ou fugir e que, por essa razão, garantiram a sobrevivência da humanidade até aos tempos atuais.

Quando estamos perante uma situação atípica e desafiadora são ativados os sistemas fisiológicos para conseguirmos lidar melhor com essa situação. Desencadeia-se uma resposta fisiológica, psicológica e até comportamental. Neste sentido, o stress é algo natural, reflete a nossa capacidade de adaptação e pode ser visto como um efeito positivo, que impulsiona a nossa aptidão cognitiva, de foco e de ação. No entanto, pode também representar algo nocivo e contraproducente. Hoje sabe-se que o stress crónico é prejudicial para a saúde do ser humano.

O stress ocupacional diz respeito ao stress relacionado com o trabalho, seja devido à estrutura organizacional, às características do trabalho, às interações com os colegas, às características individuais de cada pessoa, entre outros fatores.

O stress crónico no trabalho pode levar a uma situação de esgotamento físico e psicológico, a que se chama burnout. Esta palavra inglesa significa “queimar até à exaustão”. O profissional sente que a sua capacidade e recursos para lidar com as exigências do trabalho esgotaram-se. Alguns sintomas e consequências associados ao burnout são:

– sentimentos de insatisfação

– solidão

– baixa auto-estima

– perda do sentimento de compromisso e de realização profissional

– frustração

– irritabilidade

– cefaleias

– distúrbios do sono

– fadiga

– sintomas gástricos

– abuso de substâncias como álcool, tabaco ou medicamentos

– aumento do risco de doença cardiovascular

– sistema imunitário débil

– perda de interesse sexual

Tem também como consequências o comprometimento das relações familiares, absentismo e maior ocorrência de baixas médicas, diminuição da produtividade, da qualidade de vida e abandono do trabalho.

Conhece alguém nesta situação? Identifica-se com estes sintomas? Infelizmente não é uma situação rara. De que adianta ter uma força de trabalho, pública ou privada, de profissionais exaustos, desmotivados e frustrados?

Um estudo realizado pela Deco este ano, com 1146 trabalhadores de diversas áreas profissionais, concluiu que um terço dos inquiridos estava em risco de burnout, e que quem tinha um estilo de vida pouco saudável tinha um risco maior de esgotamento. Um outro estudo, sobre a prevalência do burnout em profissionais de saúde Portugueses, concluiu que entre 2011 e 2013, 21,6% dos profissionais de saúde apresentaram burnout moderado e 47,8% burnout elevado.

É um facto que a qualidade de vida e a produtividade dependem muito de condições de trabalho favoráveis. Por outro lado, a promoção da qualidade de vida no trabalho assenta no princípio de que as pessoas são mais produtivas quando estão mais satisfeitas, saudáveis e motivadas. É por isso urgente mudar a forma como se vê a pessoa e as suas condições de trabalho.

Mas mais do que enumerar as causas e consequências destes problemas de saúde ocupacional, gostava também de deixar algumas estratégias que podem ajudar gerir o stress crónico e a evitar o burnout… o que ficará para o meu próximo artigo.

Ate lá!


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.