Home>Mundo>BREXIT: ACORDO REJEITADO E NOVO PRIMEIRO MINISTRO?
Mundo

BREXIT: ACORDO REJEITADO E NOVO PRIMEIRO MINISTRO?

Na semana passada e esta semana tem sido um caos no político britânico, Theresa May conseguiu trazer de volta um acordo para o Reino Unido e o Conselho Europeu já aprovou o acordo.

No entanto, há incerteza, 11 de dezembro os deputados vão votar sobre o acordo, o primeiro-ministro deu-se duas semanas para convencer os deputados a votar a favor. Mas é muito improvável que o acordo passasse. Isto deve-se a um pequeno grupo de deputados conservadores extremo pró-Brexit que desejam que o Reino Unido cortasse todos os laços com a União Europeia, deixando sem qualquer acordo.

Além disso, os unionistas da Irlanda do Norte que estão apoiando o governo que vão rejeitar o acordo, devido ao fato de que a UE será capaz de impor legislação que difere do resto do Reino Unido. Isso tudo apesar do fato de que o governo do Reino Unido pagou um bilhão de libras ao assinar um acordo com os unionistas.

Dando uma olhada o segundo maior partido na Câmara dos Comuns, o Partido Trabalhista, que afirmaram que, este acordo não cumpre os seus seis testes, portanto, eles vão rejeitar o acordo. Um grande teste foi se o acordo garante que o Reino Unido continue tendo os mesmos benefícios que um membro da UE. Este teste surgiu quando o atual Secretário de Estado do Comércio Internacional, Liam Fox, declarou que podemos deixar a UE e ainda ter todos os mesmos benefícios de um membro da UE. Ele ainda afirmou que este seria o negócio mais fácil negociado.

Sem olhar para os partidos menores, todos eles vão rejeitar o acordo, porque uma eles desejam permanecer no Mercado Único e União Aduaneira.

Então, em 11 de dezembro, o acordo é rejeitado, o que acontece? Poderíamos ver a primeira-ministra renunciando a si mesma, ou seus próprios parlamentares conservadores forçando uma eleição de liderança, ou mesmo a Câmara dos Comuns dando início a um voto de confiança (o último sendo em 1979). Se o último acontecer, o Partido Trabalhista terá a chance de formar um governo, sem realizar nenhuma eleição.

Se o primeiro-ministro decidir realizar uma eleição geral ou um referendo de ratificação, ela teria que implorar à UE que estendesse o Artigo 50, significando que o Reino Unido não deixaria a UE em 29 de março. Ou como afirmou o atual secretário Brexit, Stephen Barclay, votar contra o acordo pode resultar em deixar a UE sem um acordo, ou impedir que um Brexit ocorra inteiramente. É importante notar que não há maioria para um Brexit sem acordo na Câmara dos Comuns.

Então a questão permanece o que vai acontecer no dia 11 de dezembro.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.