Home>Saúde e Vida>SAIBA COMO IR DE FÉRIAS SEM OS MOSQUITOS ATRÁS
Saúde e Vida

SAIBA COMO IR DE FÉRIAS SEM OS MOSQUITOS ATRÁS

Carla Guimarães Cardoso

Dada a época do ano e a generalização das viagens para locais mais ou menos exóticos vamos falar de mosquitos.

A viagem para estes locais implica sempre a realização de uma consulta do viajante onde vão ser discutidos os cuidados e medidas profiláticas a utilizar de modo a que sejam umas férias seguras do ponto de vista da saúde.

Factor comum a quase todos estes destinos são os mosquitos e as doenças transmitidas pela sua picada. O foro deste artigo não é a profilaxia dessas doenças mas que medidas tomar de modo a evitar a picada do mosquito.

São vários os sprays, pomadas, sticks e pulseiras que se encontram disponibilizados em farmácias e superfícies comerciais mas qual a sua eficácia e segurança em adultos e crianças.

Repelentes tópicos

Comecemos com os repelentes tópicos que podem ser sintéticos ou naturais. Actuam porque formam sobre a pele uma camada com odor repulsivo para o mosquito.

O repelente não tem a mesma eficácia em todos os indivíduos e em todas as situações. Por exemplo, por cada aumento de 10ºc de temperatura pode haver uma redução de até 50% do tempo de protecção do repelente.

Os repelentes sintéticos mais eficazes são:

  • DEET (N,N-dietil-metilbenzamida ou NN-dietil-m-toluamida). È um repelente utilizado desde a década de 1950 e dos mais eficazes do mercado. Concentrações progressivamente maiores deste repelente conferem maior tempo de protecção até um máximo de 35-50%, sem toxicidade relevante. Para exposições prolongadas é recomendado o uso de repelentes com concentrações elevadas de DEET e não a aplicação mais frequente de repelentes com concentrações mais baixas.

A concentração máxima de DEET nos repelentes para crianças é controversa variando entre 30% segundo a Academia Americana e 10% segundo a Academia Canadiana. O seu uso só é recomendado em crianças com mais de 2 anos.

  • Icaridina ou KBR3023. Repelente também de elevada eficácia. Concentrações de 10% conferem protecção de 3 a 5 horas e 20% de 8 a 10 horas. Está também só recomendado para crianças acima dos 2 anos.
  • Repelente eficaz em concentração de 20% por um período de 4 a 6h. Pode ser usado por grávidas e em crianças maiores de 30 meses.

Os repelentes naturais, à base de óleos têm em geral um efeito de curta duração.

  • Óleo de citronela. Por ser extremamente volátil confere uma protecção variável de 20 minutos a 2 horas em concentrações de 5 e 100% respectivamente. Se usado recomenda-se a sua aplicação a cada hora.
  • Óleo de eucalipto-limão. Em concentração de 30% confere protecção até 5h sendo o mais recomendado dos óleos naturais.

Repelentes físicos e ambientais

São indicados como adjuvantes dos repelentes tópicos sendo de particular interesse nos bebés com menos de 6 meses. Os repelentes tópicos não estão indicados para os menores de 6 meses e devem ser aplicados com restrições entre os 6 meses e os 2 anos.

  • Ar condicionado – manter ambientes refrigerados é altamente eficaz para manter os mosquitos afastados.
  • Mosquiteiros simples ou impregnados com insecticida (permetrina) estão indicados para a protecção diurna e nocturna de menores de 6 meses sendo também seguros em grávidas.
  • Incensos e velas naturais só têm uma acção eficaz quando aplicados por horas contínuas e se iniciados antes da exposição ao ambiente. O seu uso isolado não está recomendado.

Há diversos dispositivos, como os repelentes ultrassónicos e os dispositivos eléctricos luminosos  de luz azul, que se têm mostrado ineficazes e por isso não têm indicação na protecção contra a picada do mosquito.

As pulseiras embebidas em DEET também não estão indicadas uma vez que o efeito de repelente é obtido por evaporação do DEET sobre a pele e só há evidência de resultados numa área de 4 cm em torno da zona de aplicação do DEET.

As substâncias que actuam através do suor também não se mostram eficazes.

Em resumo,

  • Usar repelentes tópicos com níveis eficazes de repelente – DEET 10-30%; icaridina 10-20%, óleo eucalipto-limão 10-30%.
  • Reaplicações são necessárias conforme o tempo, risco de exposição e a concentração do produto utilizado (leia sempre as indicações do fabricante)
  • Se tiver que aplicar protector solar aplique sempre primeiro o protector, espera pela sua absorção completa e só depois aplique o repelente. Repelentes com protector solar associado são desaconselhados.
  • Aplique repelente só nas zonas expostas, nunca sob a roupa.
  • Mosquiteiros tratados com piretroide ou roupa tratada com permetrina são preferíveis para menores de 2 meses ou como coadjuvantes em adultos.
  • O vestuário é a melhor prevenção. Usar roupas compridas e de cores claras. Não utilizar perfumes.

E boas férias seguras.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.