Home>Cidadania e Sociedade>A CHEGADA DOS SEMESTRES AO ENSINO PORTUGUÊS
Cidadania e Sociedade

A CHEGADA DOS SEMESTRES AO ENSINO PORTUGUÊS

Márcia Pinto

No ano letivo 2019-2020 as escolas tiveram a oportunidade de organizar o ano escolar em dois semestres em vez de em três períodos, como até aqui.

Desta forma, as escolas tiveram mais autonomia e flexibilidade curricular no presente ano letivo.

Assim, o aumento da gestão da carga horária além dos 25% permitirá às escolas, entre outras inovações, organizar o ano letivo de forma diferente, por exemplo, em dois semestres, ao invés dos atuais três períodos.

Um dos aspetos positivo, referenciados é o facto de terminarem com a disparidade de tempo dos 3 períodos, sendo que o ultimo normalmente é muito mais pequeno que os restantes uma vez que estava dependente do calendário religioso.

Com a introdução dos semestres haverá um equilíbrio da duração dos mesmos.

Contudo, isto causou algum desconforto e desconfiança parte dos pais e encarregados de educação.

Há casos de pais que têm filhos em escolas diferentes, no mesmo município, mas com a organização do ano escolar diferentes, o que dificulta no momento das interrupções letivas pois é necessário saber onde deixar os mais novos.

Neste sentido, este modelo já foi implementado em algumas escolas no ano letivo anterior e o balanço é positivo, quer pelos professores, quer pelos alunos que já não viviam ansiosos pelas férias pois sabiam que tinham pausas quase mensalmente.

Outro aspeto positivo é o maior espaçamento entre as fichas de avaliação reduzindo assim a ansiedade dos alunos, sendo que este modelo dá mais enfase à avaliação formativa, favorece a diversificação dos instrumentos de avaliação e estimula uma informação mais regular e sistematizada aos alunos e ao encarregados de educação.

No entanto, a marcação de testes imediatamente antes e/ou após as interrupções letivas não deixam os alunos usufruírem das atividades de final de período ou fazem com que os alunos não possam usufruir totalmente dessas pausas, o que não acontecia anteriormente. Este é um dos aspetos a melhorar.

Enquanto mãe e encarregada de educação penso que é um modelo que é mais benéfico que o anterior mas que peca pela falta de informação. Deparo-me com pais que neste momento ainda não estão esclarecidos sobre o mesmo.

Enquanto professora, a coexistência de diferentes modelos de trabalho (semestral, periodal e modular) interferem na boa organização e gestão do trabalho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.