Home>Saúde e Vida>CUIDADOS ALIMENTARES NA PREVENÇÃO DA TOXOPLASMOSE NA GRÁVIDA
Saúde e Vida

CUIDADOS ALIMENTARES NA PREVENÇÃO DA TOXOPLASMOSE NA GRÁVIDA

Cristina Cardoso

É uma das parasitoses mais comuns nos gatos e inofensiva para a maior parte das pessoas, mas, no caso das grávidas não imunes, a toxoplasmose é um risco. Trata-se de uma doença transmitida pelo parasita Toxoplasma gondii, que pode existir sob três formas: trofozoíto (forma invasiva), quisto (forma latente) ou oocisto (apenas no aparelho digestivo dos gatos ou no solo contaminado). As suas manifestações clínicas podem mimetizar uma constipação banal, ou seja, pode aparecer febrícula, congestão ocular e nasal e aparecimento de gânglios retroauriculares.

A infeção por toxoplasma pode implicar consequências graves para o bebé, entre as quais, aborto espontâneo, morte fetal, parto pré-termo e infeção fetal e neonatal, sendo o período da gravidez em que acontece a infeção, determinante para a caracterização da frequência e gravidade.

A tríade clássica de atingimento fetal é constituída por: hidrocefalia, calcificações intracranianas e coriorretinite. Quando ocorre no primeiro trimestre pode ter consequências mais graves, mas é mais comum no terceiro trimestre, sendo a manifestação fetal mais frequente a coriorretinite.

No decorrer da gestação, a grávida deve ser particularmente cuidadosa em não contrair uma doença a partir de alimentos contaminados. Algumas bactérias e parasitas podem ser prejudiciais para o bebé. Para além disso, os alimentos poderão ser também uma fonte importante de outros compostos com potencial tóxico.

Devem existir cuidados acrescidos sobretudo em relação aos alimentos crus, visto estes serem muito suscetíveis de transmitir infeções como a toxoplasmose e a salmonelose.

Destacam-se os seguintes alimentos a evitar: ovos crus, peixe ou carne mal cozinhados, sushi, fumeiro, charcutaria, fígado, patés, queijos de pasta mole ou com bolores, leite não pasteurizado, marisco, legumes e fruta crua mal higienizada e não desinfetada.

Sugerem-se ainda as seguintes recomendações relativamente à segurança na manipulação dos alimentos:

Lavar as mãos com água morna e sabonete:

Antes e depois de manusear alimentos;

Depois de utilizar a casa de banho;

Depois de estar em contacto com animais;

Lavar muito bem os legumes com água corrente;

Lavar todos os frutos, mesmo se pretender descascá-los;

Separar os alimentos crus dos alimentos prontos a consumir;

No frigorífico, a carne e o peixe crus devem estar bem acondicionados e colocados na zona intermédia. Os produtos em fase de descongelação devem-se encontrar na prateleira inferior, acondicionados em recipientes apropriados que evitem o derrame de líquidos resultantes do processo de descongelação;

Evitar colocar alimentos cozinhados em recipientes onde estiveram alimentos crus, sem que o recipiente seja bem lavado

Quando os alimentos são reaquecidos, devem ser levados à fervura, ou então reaquecidos a altas temperaturas por algum tempo;

Aquecer completamente as refeições prontos-a-comer e as “sobras” antes de servir;

Cozinhar completamente a carne; certificar se a carne congelada está corretamente descongelada antes de cozinhar;

Se usar o micro-ondas, seguir as instruções do fabricante e certificar-se de que o alimento está bem cozido no interior;

Verificar sempre o prazo de validade na embalagem dos alimentos;

Usar luvas quando fizer jardinagem e lavar as mãos após esta prática;

Usar luvas ao manipular os excrementos de gato, e se possível depositá-los em recipientes apropriados e evitar o contacto com estes animais.

A gravidez é, para a maioria das mulheres, um momento de grande felicidade e realização. No entanto, tanto a mulher como a criança em desenvolvimento enfrentam vários riscos de saúde. Por esta razão, é importante que todas as gravidezes sejam monitorizadas pelos prestadores de cuidados especializados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.