Home>Lifestyle>JÁ TE SENTISTE INFELIZ?
Lifestyle

JÁ TE SENTISTE INFELIZ?

Isabel Pinto da Costa

Quem de nós nunca se sentiu infeliz? Quantas vezes nos sentimos verdadeiramente infelizes, uns com razão aparente, outros sem razão aparente, nem conseguimos perceber como é que a infelicidade apareceu e se instalou para nunca mais passar.  Sem o nosso consentimento, ela veio para ficar e tornou os nossos dias verdadeiramente tristes e infelizes.

Começamos a não encontrar felicidade em nada. Se pensarmos como essa tristeza se instalou não percebemos quando foi o começo, só sabemos que apesar de vivermos rodeados de pessoas, começamos a nos sentirmos cada vez mais sozinhos e as pessoas que nós achávamos que nos estimavam deixaram de o fazer e aos poucos começamos a nos sentirmos tristes porque o valor que tínhamos mudou. Aos poucos, somos assim mais infelizes, mais tristes, mais sós.

Começamos a sentirmo-nos infelizes também quando olhamos para as pessoas que amávamos e já não vimos beleza, amor, admiração, paixão por essas pessoas e então sentimo-nos verdadeiramente infelizes porque nos dececionaram.

Sentimo-nos infelizes quando perdemos alguém que era um pilar na nossa vida e não conseguimos encontrar ninguém para colocar no lugar dele, como outro significativo para nos ajudar a resolver o luto.

A infelicidade também se instala de forma quase definitiva, quando sofremos uma mudança física, uma amputação de um membro, levando a uma tristeza profunda na vida de uma pessoa.

Com o passar do tempo, começamos a sentirmo-nos tão infelizes, por uma deceção de amor, ou por não sermos estimados por pessoas que gostamos muito, ou por mudanças físicas ou mesmo por um vazio que sentimos dentro de nós. A felicidade começa cada vez a ficar mais longe, tão longe que começamos a viver essa rotina da infelicidade.

Começam a perguntar-nos: “Hoje estás triste?” E nós respondemos: “Não! Estou bem.” Habituamo-nos a viver na infelicidade e a melhor memória da felicidade começa a ficar tão longe que corremos o risco de não a lembrarmos mais.

Não deixe a memória traí-la, continue a lembrar-se dos bons momentos e não desista de ser feliz!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.