Home>Cidadania e Sociedade>ATIVDADE ECONÓMICA 2021
Cidadania e Sociedade

ATIVDADE ECONÓMICA 2021

Rui Canossa

A atividade económica, em muitos setores, aumentou e adaptou-se parcialmente às restrições da pandemia. A distribuição de vacinas, embora desigual, está a ganhar impulso e o estímulo dos governos, especialmente nos Estados Unidos, vai proporcionar provavelmente um grande impulso à atividade económica. Mas as perspetivas de crescimento sustentado e sustentável variam amplamente entre países e setores. A implantação de vacinação mais rápida e eficaz em todo o mundo é crítica. As perspetivas de crescimento melhorariam (cenário positivo) se a produção e distribuição das doses acelerasse, fosse melhor coordenada em todo o mundo e se antecipasse às mutações do vírus, de acordo com a OCDE.

Por um lado, no mercado de trabalho, é necessário remediar as disparidades: políticas de emprego para uma recuperação mais justa. Os efeitos da crise sobre os trabalhadores podem ser igualmente dolorosos e desiguais ao longo do tempo. Em média, são os trabalhadores mais jovens e menos qualificados aqueles que mais sofreram. O choque provocou mudanças estruturais na economia de tal forma que, mesmo com o retrocesso da pandemia, as perspetivas profissionais podem estar fechadas para sempre em alguns setores e profissões, e noutros desenvolverem-se, nomeadamente aquelas áreas ligadas às tecnologias da informação e comunicação. Os trabalhadores menos qualificados enfrentam uma penalidade tripla: são mais propensos a trabalhar em setores que são mais afetados negativamente pela pandemia e a ficar desempregados durante as recessões, e entre aqueles que conseguem encontrar um emprego, são mais frequentemente obrigados a mudar de profissão e a experimentar uma queda no rendimento. Medidas para manter o emprego, por exemplo trabalho de curta duração como o esquema Kurzarbeit na Alemanha, bem como subsídios salariais como o Programa de Proteção aos Salários (Paycheck Protection Program) nos Estados Unidos, podem ajudar a proteger os empregos contra o choque inicial da pandemia, desde que o distanciamento físico seja mantido, reduzindo o desemprego em 4 pontos percentuais em relação ao nível que teria atingido sem estas ajudas.

No mercado monetário e financeiro, uma recuperação assíncrona e divergente pode colocar a estabilidade financeira em risco Depois de passar por um tumultuoso 2020, a economia global está finalmente a emergir das piores fases da pandemia do COVID-19. O trauma económico teria sido muito pior se a economia global não tivesse sido apoiada pelas ações sem precedentes de política tomadas pelos bancos centrais e pelas medidas fiscais implementadas pelos governos. As taxas de juro globais permanecem baixas pelos padrões históricos. Mas a velocidade do ajuste nas taxas pode gerar uma volatilidade indesejável nos mercados financeiros globais, como testemunhado este ano. Qualquer aumento abrupto e inesperado nas taxas nos Estados Unidos pode traduzir-se num aperto das condições financeiras, à medida a que os investidores mudam para o modo “reduzir a exposição ao risco, proteger o capital”. Isto pode ser uma preocupação para os preços dos ativos de risco. As avaliações parecem esticadas em alguns segmentos dos mercados financeiros e as vulnerabilidades estão a aumentar ainda mais em alguns setores.

A pandemia de Covid-19 já completou um ano e a comunidade internacional ainda enfrenta pressões socioeconómicas extremas, com um número crescente de vidas perdidas e milhões de pessoas ainda desempregadas. Projetam agora, a OCDE e o FMI, uma recuperação mais robusta da economia mundial em relação às previsões de janeiro, com crescimento de 6% em 2021 (uma melhoria de 0,5 pontos percentuais) e 4,4% em 2022 (uma melhoria de 0,2 pontos percentuais), após uma contração histórica estimada em -3,3% em 2020. A revisão em alta das previsões de crescimento mundial em 2021 e 2022 resulta principalmente da melhoria das perspetivas nas economias avançadas, mas espera-se que muitos outros países só o façam em 2023. Essa recuperação desigual também acontece dentro dos países, uma vez que os trabalhadores mais jovens e os menos qualificados são os mais afetados. A ênfase neste momento deve a saída da crise sanitária, dando prioridade aos gastos com cuidados de saúde. O apoio fiscal deve ser dirigido às famílias e empresas mais atingidas. Uma vez superada a crise sanitária, as políticas públicas podem se concentrar em construir economias mais resilientes, mais inclusivas e mais verdes, para impulsionar a recuperação e também elevar o produto potencial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.