Cidadania e Sociedade

EUTANASIARAM A LIBERDADE

O assunto parece sensível, controverso, constrangedor, meritório de apurada e maturada discussão, alvo de prós e contras, de debates infindáveis e de versões em igual número à dos opinantes. Poderá ser. Sem prejuízo, encaro o assunto de forma muito simples. A Eutanásia, na forma como foi reprovada na Assembleia da República, constitui apenas e só uma reprovação à liberdade. Muitos foram já os temas que mereceram igual desinformação, contra informação,
Cidadania e Sociedade Educação

A CRIANÇA PRECISA BRINCAR

Parece ridículo escrever um texto sobre a importância de as crianças brincarem. Afinal, não é isso o que elas fazem? A resposta é assustadoramente simples: não. Nada mais define a infância do que o brincar e, no entanto, nada menos dominante na infância atual, escolarizada até ao tutano, dividida em atividades sempre organizadas pelo adulto. Em casa sujeita ao regime de trabalhos de casa-TV-telemóvel-tablet antes de deitar e, de manhã,
Cidadania e Sociedade Educação

OS PAIS E O RENDIMENTO ESCOLAR

Desde sempre, a participação dos pais é muito importante, se não decisiva, para um bom rendimento escolar dos filhos. Nenhum outro fator tem tanto impacto para o progresso do aluno quanto a influência e interferência adequada da família. Quanto mais presentes são os pais, maior é a probabilidade do filho tirar boas notas durante todo o percurso escolar. Esse facto tem sido confirmado em diferentes pesquisas realizadas em todo o
Cidadania e Sociedade Economia

COMBATE À EVASÃO FISCAL DAS NOVAS EMPRESAS

O tema da evasão fiscal em Portugal não é assunto novo. De facto, desde há muito que fugir aos impostos parece ser um desiderato quase geracional, quase cultural. Os pagadores de impostos são até mal vistos por aqueles que, atuando paralelamente à lei, ainda se vangloriam do feito. Este comportamento é muito difícil de compreender pelos povos do norte da europa que pagam e muito os seus impostos, não compreendendo
Cidadania e Sociedade

O BOOM NO IMOBILIÁRIO

T1 a €900.000,00. Dá para acreditar? Nas Avenidas Novas, Parque das Nações, Misericórdia e na Estrela os preços roçam o absurdo. Até quando? Em Lisboa e no Porto vivem-se tempos de auge no mercado do imobiliário. Mas muito mais em Lisboa onde os preços das casas têm atingido valores que não cabem de todo na bolsa do português comum. Ainda esta semana, com um processo de partilha em mãos em que
Cidadania e Sociedade

A EUTANÁSIA NA VETERINÁRIA

A eutanásia tem sido um forte motivo de discussão nos últimos dias. Nos animais esta é uma prática corrente e perfeitamente aceite por todos. A eutanásia permite-nos proporcionar os últimos dias de vida de um animal sem sofrimento. Será um acto egoísta? Estaremos nós a querer ocupar o lugar de Deus decidindo quando, como e onde terminar a vida de um animal? Um tutor perante um diagnóstico de uma doença
Cidadania e Sociedade

DEIXAR-TE MORRER

Entrei pela casa adentro, cheia de saudades e novidades para contar. Nos últimos 8 dias tinha estado de férias, e trazia fotos para mostrar, recantos lindíssimos para partilhar, brincadeiras e experiências para reviver com ela. Era a pessoa de melhor íntimo que eu conhecia. Na inocência dos meus 20 anos, embora já com a crueza da sua doença terminal anunciada, tinha partido para umas curtas férias, sem esperar uma evolução
Cidadania e Sociedade

PADRE JORNALISTA OU JORNALISTA PADRE?

Ordenado em 1964, Rui Osório começou a ganhar o gosto pela área da comunicação social nos últimos anos de estudante e até teve, durante dois anos, semanalmente, um programa na Rádio Renascença. Este programa radiofónico era gravado e transmitido, às quartas-feiras, na hora de almoço. A sua ida para o Jornal de Notícias, contado na primeira pessoa: "Quando entrei no JN, já era jornalista e tinha a qualidade de redator.
Cidadania e Sociedade

MORRER A PEDIDO

Está na mesa a proposta para legislar a Eutanásia. Ou o termo mais correcto será: oficializar? Quem já acompanhou o processo de acelerar a morte poderá concordar ser uma experiência cruel, cortante, contranatura e irrepetível. Enquanto que assistir ao nascimento dá alento, esperança, força, alegria, assistir à morte faz pensar, duvidar, enfraquecer, desistir ou quebrar. É de facto desconcertante assistir ao pedido, mas a maior vítima é quem a deseja,
Cidadania e Sociedade

ÓRFÃOS DE ATENÇÃO

Se me é permitido, aproveito a minha primeira crónica para fazer mea culpa. Numa semana em que se comemora o dia Internacional da Criança, mais do que sobre os seus direitos fundamentais, importa refletir sobre as crianças que se tornaram órfãs não o sendo. Todos nós nos deparamos, diariamente, com notícias sobre o flagelo da fome e da guerra. E muito bem, porque são temas que convém manter presentes, ainda