Cultura, Literatura e Filosofia

MAIS RUIS TAVARES, MENOS MOUZINHOS DE ALBUQUERQUE

Alfredo Cameirão L atrasado més de setembre, l partido Livre fizo la sue “reentré” política na Tierra de Miranda, nuns ancuontros de 3 dies chamados “Ls Setembristas”. Scolher la Tierra de Miranda – la tierra mais loinge de la “capital de l ampério” -  para ua cousa desta culidade, fui, an si mesmo, ua scuolha de grande coraije i astrebimiento, que tubo an pagas, claro, la culidade de la gastronomie, las
Cultura, Literatura e Filosofia

AMARANTINALIDADE – PE. CLEMENTE

"Colégio que me eninas o roteiro Do Santo que te dá nome e carinho Serás pela vida além sempre o luzeiro Luz bendita dos meus árduos caminhos." Escrevo hoje, dia 20 de Novembro,  porque se celebra mais um aniversário de um Homem com uma integridade, dignidade e magnitude ímpares. Um Homem, que através de uma instituição, elevou o nome de Amarante. Tive a sorte de ter frequentado o Colégio de
Cultura, Literatura e Filosofia

O REGRESSO DAS CHUVAS

Soni Esteves Tempo fez de mim morada sua Enfeitou de raízes e seiva, as paredes Como um quadro. Riu comigo e de mim, Escondeu relógios e espelhos, Veloz e arrastado, Perdulário e avaro Foi o tudo e o nada. Encurtou-me os dias como se eu fosse bainha rota de vestido desusado, Estendeu as horas com molas de roupa E deixou-as ondular em noites de insónia. Jogamos aos dados E ganhou
Cultura, Literatura e Filosofia

A VOCAÇÃO TRÁGICA DO HOMEM

A tragédia pode constitur-se em vocação humana. Há certos seres cuja dominante interior se traduz num impulso de abertura aos territórios indizíveis. A plenitude excepcional onde lhes apraz habitar é derramada a esmo sobre universos alheios, no desejo de os atingir de forma profunda e definitiva. Cedo, porém, tudo se dissipa numa confluência estranha em que os mais subtis miasmas sobrevoam e pairam, por fim, difusos e alheios, nas zonas
Cultura, Literatura e Filosofia

URDIDURAS SATÂNICAS

Regina Sardoeira Havia um gato que miava no telhado de plástico da vivenda senhorial dos Sousas. Miava o gato e através dos miados soava a música dos ruídos selváticos saídos das entranhas da terra. Havia um coro de molas e os colchões despediam chispas por entre a luz dos corpos apoiados nas sombras. O jardim tinha frutos pendurados nos postes telegráficos e, quando havia vento, tilintavam as campainhas e sorriam
Cultura, Literatura e Filosofia

ARTES OCULTAS E SAGRADA ESCRITURA

Rui Marques Araújo  Na ancestralidade do Homem o mundo era já habitado por forças hostis, que urgia controlar ou, pelo menos, tornar benéficas. É neste contexto que surge a prática da magia, com a arte do mago e, num sentido mais pejorativo, a prática oculta dos bruxos e dos feiticeiros que, sendo figuras especiais, dotadas de características físicas e psíquicas, se diferenciavam do resto do comum dos mortais, conduzidos, por
Cultura, Literatura e Filosofia

L GATO RABON I LA LHÉNGUA MIRANDESA

Alfredo Cameirão  L scrito que sigue ye la traduçon para lhéngua mirandesa de un scrito de l Porsor Doutor Xosé Henrique Costas nas redes sociales. L porsor Xosé Costas ye lhenguista de l’Ounibersidade de Bigo i, cunsante el mesmo diç, nun ye specialista an lhenguística aplicada, quier más bien ser specialista an lhenguística “implicada”, al lhado de las pessonas que fálan las lhénguas “menorizadas”. Ye grande amigo de l mirandés
Cultura, Literatura e Filosofia

AS MINHAS MULTIDÕES

Regina Sardoeira Por detrás das montanhas, outra montanha há e por detrás dos sonhos, outro sonho. Revejo-me nesta imensidão de sequências onde o fim é sempre o princípio, e o princípio o sentido da caminhada que nos conduz ao centro, numa circunvolução excêntrica, onde o eu e o nós se religam em comunhão. Mesmo que nunca olhemos, nos olhos, para dentro da alma, ao rés da consciência, o ser do
Cultura, Literatura e Filosofia

O ABATE DO PINHEIRO MANSO E A EXTINÇÃO DA VIDA

Regina Sardoeira Há dias assisti, compungida, ao abate de um vetusto pinheiro manso, que se erguia, ali ao fundo, sobranceiro à estrada que, de Geraldes, conduz ao centro de Amarante. Dois anos antes, aproximadamente, haviam derrubado outro gigante, um pouco mais acima, na mesma rua. E o meu horizonte perdeu referências. Agora, dos três habitantes centenários desta zona, resta um. Eu não sei a quem pertence este último e imponente