Cultura, Literatura e Filosofia

A RESPOSTA

Regina Sardoeira Subia a Serra de Espinhaço de Cão, vinda de Aljezur, quando, por entre os pinheiros, pelo lado direito da estrada, rumo ao poente, entrevi, ao fundo, um cenário onírico. Estávamos num fim de tarde de Verão, o sol brilhava no céu límpido, e o mar, ao longe, cintilava, daquele azul opalino e transparente, (quase céu, quase fantasmagoria) e, como que depositada sobre a superfície líquida, uma cidade parecia
António Coito
Cultura, Literatura e Filosofia

AULA 5 LGP: A CORTESIA NUNCA É EM DEMASIA

Nesta aula pretende-se capacitar os espectadores no sentido de executarem expressões de saudação/cortesia em LGP. Objetivos Gerais: - Conhecer as saudações e expressões de cortesia em LGP. - Utilizar saudações e expressões de cortesia em função da situação mais adequada. - Perguntar a alguém ''como está?'' e saber as diferentes respostas possíveis. PALAVRAS-CHAVE = Saudações; Olá/Adeus;Bom dia; Boa tarde; Boa noite; Tudo bem? (opções de resposta); Posso ajudar? (opções de resposta);
António Coito
Cultura, Literatura e Filosofia

AULA 4 DE LGP – CONFIGURAR A MÃO

António Coito ''Configurar a mão'' Nesta aula pretende-se, de forma breve, enumerar os 5 parâmetros base da LGP, explicando a utilidade das configurações da mão em questões práticas, em especial, na leitura, interpretação e estudo do dicionário. Objetivos Gerais: - Identificar os 5 parâmetros base da LGP. - Reconhecer a principal utilidade das configurações. - Executar as configurações da língua gestual. (bico de pássaro, bico de águia, bico de pato,
Cultura, Literatura e Filosofia

O VERÃO DO NOSSO DESCONFINAMENTO

Soni Esteves Hoje apetece-me brincar com as palavras. Na verdade, apetece-me muitas vezes, mas as férias parecem-me o tempo perfeito para o fazer. Peguei em títulos de canções, de filmes, de livros, e com eles compus um texto. Descobrir os autores fica por vossa conta, se acharem que vale a pena a brincadeira. A ideia não é original, nem nova, mas nem por isso deixa de ser divertida. Espero que
Cultura, Literatura e Filosofia

TONGOBRIGA

Luís Sousa Em 1980, num dia em que o estio castigava as faces, desceram abruptas, abrindo o solo duro, pesadas picaretas. Jovens estudantes, voluntários e técnicos do Instituto Português do Património Arqueológico e Arquitetónico - Direção Regional do Porto iniciaram assim a retirada das primeiras camadas de terra que cobriam os restos de construções de um complexo termal monumental. As escavações prosseguiram nos anos seguintes, ininterruptamente, vindo a evidenciar que
Cultura, Literatura e Filosofia

QUE SE APRENDEU COM HIROSHIMA?

José Castro A humanidade já deu provas do pior e do melhor que possui. Vários ditadores dos mais diversificados regimes, como sejam Mao Tsé-Tung, Joseph Stalin, Adolf Hitler, Hideki Tojo, etc, são responsáveis por inúmeros milhões de mortos. A busca de qualquer ideal (político, religioso, etc) jamais deve ser erguida à custa do derramamento de sangue daqueles que não o partilham através da sua tortura e morte.   A guerra entre países (ou grupos
Cultura, Literatura e Filosofia

CUMPRE-SE AGOSTO

Regina Sardoeira Cumpre-se Agosto. Pelo ar pairam exalações de um mundo antigo, tão antigo que se perde na bruma do tempo e de que conseguimos, apenas, supor vislumbres do que seja o viço primitivo. Não quereríamos, decerto, essa pujante frescura de um planeta quase virgem porque, ao longo do tempo, o nosso cérebro alterou-se, mercê dos sucessivos avanços civilazicionais e não saberia integrar-se e subsistir na selva inumana. Mas apraz-nos
Cultura, Literatura e Filosofia

O VÍRUS DE SÍSIFO

Marco Bousende Na mitologia grega Sísifo foi o fundador e primeiro Rei de Éfira. Era considerado o mais astuto dos mortais. Na sua vida térrea e post mortem foi pródigo na malícia e no enfrentamento dos deuses. Como castigo final, foi condenado para a posterioridade a carregar uma rocha até ao cimo da montanha. Uma vez quase ao chegar ao topo, a rocha rolaria novamente pela encosta até ao vale.
Cultura, Literatura e Filosofia

O MUNDO DO ARTISTA E O RESTO

Regina Sardoeira Ao longo da história, são muitos os artistas que, por razões deles, apenas, decidiram destruir a obra criada, considerando-a, vergonhosa ou  indigna. Outros produziram escassamente, porque a vida não lhes deu o tempo suficiente ou porque precisaram de dividir-se entre a profissão e a vida artística. Outros não destruíram a obra mas pediram a familiares e amigos que nunca a publicassem. Dentre estes últimos, destacareii Franz Kafka, escassamente
Cultura, Literatura e Filosofia

A DINÂMICA IRREVERSÍVEL DA VIDA

Regina Sardoeira Curiosamente, foi necessário que um vírus, verdadeiro ou falso, de geração espontânea ou criado em laboratório, extremamente mortífero, ou não mais do que outras pragas, extintas ou não, surgisse, subitamente, e provocasse alterações no modo habitual de viver dos humanos, para que, de imediato, a visão apocalíptica tomasse conta da cena. Aquecimento global, deterioração do planeta, extinção das espécies selvagens, corrupção dos agentes políticos, violência de todos os