Cultura, Literatura e Filosofia

COMO VAI O TEMPO?

Jorge Nuno Poderia pensar-se numa cena no elevador do prédio, a arranjar-se uns breves segundos de conversa com dois vizinhos, para retirar o desconforto de estar calado. Mas não, não é obrigatório falar-se de tempo. Ou talvez sim, se já houver alguma proximidade e comungar-se do mesmo fervor clubístico. Aí já se pode entrar a matar: —  Ouviste a notícia de hoje? Como é possível a primeira liga portuguesa de futebol
Cultura, Literatura e Filosofia

SER OU NÃO SER PATRIOTA

Regina Sardoeira Não sou patriota: eis o que, de mim, descobri, há algum tempo. Para poder sê-lo teria que confinar-me a uma realidade a que chamam pátria, amar esse território acima de qualquer outro, admitir defendê-lo, morrer por ele, no limite, elevar até aos cumes possíveis os seus símbolos. Ora não me fascina, em absoluto, a bandeira nacional, o hino nacional parece-me uma canção despropositada, o presidente da República é
Cultura, Literatura e Filosofia

DO HALLOWEEN AO DIA DE FINADOS – VERDADES OU MITOS?

Ricardo Pinto Esta noite, as bruxas sairão às ruas DR O dia das bruxas é festejado na noite de hoje, dia 31 de outubro. A comemoração do Halloween, como é vulgarmente conhecido teve origem nos antigos povos da Grã-Bretanha e Irlanda, que acreditavam que na véspera do Dia de Todos os Santos – 1 de novembro, os espíritos voltavam para suas casas. A festa em honra de Todos os Santos,
Cultura, Literatura e Filosofia

O MITO E A REALIDADE

Regina Sardoeira O homem, ao longo dos tempos, foi criando mitos. Mais tarde, no advento da racionalidade, foi-os desmitificando, porque encontrou provas, empíricas ou científicas, para os perceber ao nível da razão. Na minha viagem literária a Vila Viçosa, na zona de Penela, auto-estrada A13, tive a visão de três pirâmides, duas do lado esquerdo, uma do lado direito, pirâmides da cor do tijolo, como era, aí, também, a cor
Cultura, Literatura e Filosofia

O NAZISMO E O COMUNISMO EM PÉ DE IGUALDADE TAMBÉM NO ENSINO

Moreira da Silva O comunismo e as horrorosas crueldades que foram cometidas em seu nome, só agora é que começam a ser desvendadas, após as investigações que foram feitas ao longo dos últimos anos, principalmente após a queda do Muro de Berlim e o emergir de novos países a leste da Europa. Foram os povos destes novos países, e de outros países comunistas espalhados por todo o mundo, que sofreram
Cultura, Literatura e Filosofia

VIVER EM LIBERDADE CONDICIONAL

Isabel Pinto da Costa O meu artigo desta semana é, nada mais, nada menos, que uma metáfora à vida, ou seja, quem não vive em liberdade condicional, nos dias de hoje, é uma pessoa como diz o ditado popular “um felizardo”!... Passo a explicar: Vivemos em liberdade condicional em relação a muitas coisas na nossa vida, senão vejamos: cada vez menos os estudantes quando terminam o curso vão trabalhar na
Cultura, Literatura e Filosofia

FRIEDRICH NIEZSCHE: O ANIVERSÁRIO

Regina Sardoeira Hoje, 15 de Outubro, comemora - se o 175° aniversário (eu comemoro!) do nascimento de Friedrich Wilhelm Nietzsche, assim nomeado por esta também ser a data do aniversário do monarca prussiano e imperador da Alemanha, Frederico Guilherme IV, na época do seu nascimento. Comemoro esta data porque o pensamento exaltado do filósofo alemão alimentou o meu pensamento, enquanto estudante de Filosofia e depois, desde que me ofereceram o
Cultura, Literatura e Filosofia

O DRAMA DA TERRA E DO HOMEM

Regina Sardoeira O mundo em que vivemos comporta uma multiplicidade de camadas, tantas e tão complexas que será muito difícil separá - las para  fazer, de cada uma, análises rigorosas. Mesmo este termo " mundo" que utilizei, exige decifração. O que é o mundo? Eis a pergunta tantas vezes levantada e nunca cabalmente respondida. Existe a Terra, o planeta de onde somos originários,  de que somos parte e no qual
Cultura, Literatura e Filosofia

HOMEM: O “SERIAL KILLER” , (ÀS VEZES) CONTROLADO

Regina Sardoeira Observo os seres à minha volta, porque sou propensa à análise e levo-a a cabo, sistematicamente. As pessoas interessam - me, pois são da minha espécie, com elas partilho as características essenciais; e, perceber como são, o que pensam, do que são capazes, é uma actividade que não dispenso. Tenho seguido, nos últimos dias, uma série de ficção, intitulada "Mindhunter", cuja premissa assenta na entrevista e observação de