Cultura, Literatura e Filosofia

OS SÍMBOLOS ARTÍSTICOS DE AMARANTE, EU E MAIS ALGUNS

Regina Sardoeira  Falemos de arte, exploremos, tanto quanto possível, este tema, que nem sei bem se é um tema, antes uma actividade humana que transborda de uma fonte metafísica, de um fluxo divino, de uma região inomeável, de profundidades ignotas que o próprio artista desconhece e sempre desconhecerá. Não se cria um artista, não é possível que um artista aprenda a sê-lo numa escola, ou que a arte que dele
Cultura, Literatura e Filosofia

LHÉNGUA MIRANDESA, LS ANCANTOS DE LA OUTRA

Alfredo Cameirão “Não é o Portuguez a única língua usada em Portugal… fala-se aqui também o mirandez”, screbiu José Leite de Vasconcellos an 1882, ne l lhibro “O Dialecto Mirandez”, la obra cun que l sábio le apresentou la Lhéngua mirandês al mundo, fai astanho 140 anhos. Parafrazeando l Mestre, poderemos tamien dezir que nun ye l pertués la sola lhéngua screbida ne l Bird Magazine, scribe-se eiqui, a partir d’hoije, tamien
Cultura, Literatura e Filosofia

DESTA VEZ D. SEBASTIÃO NÃO REGRESSOU

António Francisco Realizou-se ontem, pelas 14 horas, a 1.ªfase do Exame Final Nacional de Literatura Portuguesa, do 11.º ano de escolaridade. Para este exame estavam inscritos apenas 512 alunos. Considerando que raramente é feita uma avaliação da prova pela opinião pública, decidi dar espaço a algumas considerações na minha crónica. Assim, apresento uma breve reflexão, enquanto examinando da prova desta disciplina. Recentemente, pelas redes sociais, vários alunos da disciplina de
Cultura, Literatura e Filosofia

TEMPO

Regina Sardoeira Abrir livros antigos e sorver-lhes a magia amarelada é tarefa idêntica ao rebuscar das memórias icónicas, transparentes pelo uso e quase esfareladas. Que importa o passado se não há tempo? Que importa o presente se não há tempo? Que importa o futuro se não há tempo? Repetição tornada monocórdica, de propósito, porque é assim o tempo e não adianta querer prendê-lo por mais rigorosos que se hajam tornado
Cultura, Literatura e Filosofia

SORTILÉGIO ALQUÍMICO

Regina Sardoeira A noite tem um movimento próprio mesmo quando nada se mexe e chama-nos a todos para um deserto líquido, onde flutuam embarcações, serenos mensageiros de outros territórios onde a luz esculpiu  memórias e mitos.  Eu sei (sempre soube) que a verdade não tinha qualquer poder, essa verdade que os corvos levantam na poeira dos trigais, se poeira houvesse, e enquanto escutávamos a voz irremediável de qualquer ente desabrido nas esferas
Cultura, Literatura e Filosofia

O PODER DO OLHAR FILOSÓFICO

" (...) Ora, viver sem filosofar é ter os olhos fechados e nunca se esforçar por abri-los; e o prazer de ver todas as coisas que a nossa vista descobre não é nada comparado com a satisfação que dá o conhecimento das que se encontram pela filosofia; e enfim, este estudo é mais necessário para regular os nossos costumes e nos conduzir nesta vida do que os nossos olhos para
Cultura, Literatura e Filosofia

O ÚLTIMO MENSAGEIRO

 Regina Sardoeira Havia montanhas por detrás da imaginação cansada, atirada  de uma para outra  janela, e só os cortinados espessos tiveram poder para suster os golpes do vento, nesse  dia túrgidos de folhas verdes, porque há muito a primavera ditava as suas regras de plena floração e só o rigor impreciso das nuvens violeta, por cima do  telhado, fazia temer  o recuo improvável do tempo.             Era a hora, e ele
Cultura, Literatura e Filosofia

MAIO NUM RAIO DE LUZ

“Maio, maduro Maio, quem te pintou? / Quem te quebrou o encanto, nunca te amou […].” -  In: Zeca Afonso, 1971* Anabela Borges Vi nascer o Maio. Montado num raio de luz, trazia o amarelo das giestas, espalhando o odor amargo pela vastidão dos montes, e o dourado incandescente das trovoadas, criando massas de ar abafado suspensas na crista do horizonte. Um vento fustigante, pó e penumbra, varrendo tudo, varrendo
Cultura, Literatura e Filosofia

AS MULHERES E O GÉNIO

Regina Sardoeira Oscar Wilde o célebre escritor irlandês, autor do extraordinário romance O Retrato de Dorian Gray, dramaturgo de grande mérito de onde destaco A Importância de se Chamar Ernesto, poeta de mérito de que pode ler-se A Balada do Cárcere de Reading, narrador cativante de histórias como O Rouxinol e a Rosa, foi julgado por sodomia e condenado a dois anos de trabalhos forçados na Grã-Bretanha puritana e hipócrita do século XIX. As
Cultura, Literatura e Filosofia

SER LIVRE É…

Duarte Pereira  Ser livre é ter direitos e deveres, tais como a liberdade de expressão, mas também ser educado e respeitar sempre a liberdade do outro… A liberdade foi uma conquista adquirida há alguns anos atrás no 25 de abril de 1974. Nesta data, deu-se uma revolução, uma revolução sem sangue que retirou vários inocentes da prisão e também acabou com a ditadura que permaneceu durante longos e duros anos.