Filosofia

AS FRANJAS DO DESESPERO

O desespero envia-nos para lá do sofrimento, a angústia amarra-nos ao paradoxo de viver e nesta dupla encenação subjectiva se vai tecendo a trama do ser humano: humano, porque assim o designamos nós, a meio caminho entre a divindade e a besta ou entre a besta e a divindade, que a ordem dos termos não é arbitrária. Pelo desespero, damo-nos conta da necessidade de ascese e, no percurso escatológico, forçamos
Filosofia

CRÓNICA DA FALTA DE ASSUNTO

  Como bem sabe quem escreve, na área mais subjectiva do discurso poético ou nas diversificadas manifestações da prosa, nem sempre as musas, a disponibilidade ou a criatividade brotam na ponta da caneta ou nas teclas do computador. Há dias e dias, como em tudo. Dias em que a inspiração jorra torrencialmente, como as tempestades de Inverno, e os assuntos se atropelam e multiplicam à velocidade da luz. Outros, em
Filosofia

SÓ SEI QUE NADA SEI

A frase só sei que nada sei ou sei uma coisa: que nada sei (originalmente do latim: "ipse se nihil scire id unum sciat", uma possível paráfrase de um texto grego antigo; também citado como "scio me nihil scire" ou "scio me nescire"; posteriormente retrotraduzido para o grego como "[ἓν οἶδα ὅτι] οὐδὲν οἶδα", [hèn oîda hóti] oudèn oîda), por vezes chamado de paradoxo socrático, é uma frase muito conhecida
Filosofia

2018: O ANO REDONDO

Furtivo, o tempo leva - nos daqui para ali, e nem devia chamar -lhe tempo, porque é na nossa consciência que tudo se produz : o tempo, o espaço, o passado, o presente, o futuro...Mas, escravos que somos do calendário, dizemos que já passou um ano e que, hoje mesmo, é o segundo dia de outro que ostenta o número redondo de 2018. É redondo, não é? E como o