Cultura, Literatura e Filosofia Em Destaque Literatura e Filosofia

UMA BELEZA ESCONDIDA

Algumas palavras não deviam ser usadas em determinados contextos. Que me proíbam de dizer umas asneiras de vez em quando, tudo bem, aceito... que me sinta forçada a agradecer, a cumprimentar, a despedir, tudo bem, eu aceito... Mas aquelas palavras que exprimem opinião ainda me causam algum desconforto. Ainda me sinto presa no momento antes de os meus lábios se separarem e a minha voz as fazer ecoar por entre
Cultura, Literatura e Filosofia Em Destaque Literatura e Filosofia

O PIANO QUE TOCA EM SILÊNCIO

Irredutível é o suspirar da miragem, ela que me invoca tão estranhamente no indefinido. Não tomo partido de mim mesmo, não esfrio pensamentos, não enxugo lágrimas de ninguém. Era escrita uma carta, uma carta que levava tudo dentro, até o suspiro da tua ingenuidade. Toda a gente pensava que eu era o tal, tu pensavas que eu era o tal, o tal que transparecia insignificância, egoísmo, vaidade. Nunca as minhas
Cultura, Literatura e Filosofia Literatura e Filosofia

A MEDIDA DA GRANDEZA

Conversando com um amigo sobre o existencialismo,  ouvi-o afirmar que o assunto está desactualizado, que hoje não faz sentido ser existencialista ou defender o existencialismo. Disse-me ele que as preocupações de hoje são outras,  que ninguém se ocupa com as questões da existência ou do sentido da existência. Fiquei a pensar no assunto. Se, aqui e agora, começar a falar deste tema que acolhimento terão as minhas palavras,  caso o
Cultura, Literatura e Filosofia Em Destaque Literatura e Filosofia

FRACTAL

 O avião sacode-se como se libertasse das camadas pressurizadas da atmosfera, essa amálgama de gases que se deixa abater sob a gravidade. Ser-se ar não será certamente fácil. Aliás, ar nem é ar, sabemos lá o que respiramos? Somos sôfregos como qualquer animal embezerrado, a necessidade de acolhimento em úberes, a marrada ritmada num ventre e o sorver desregrado do leite ou ar. Mas não somos só leite, nem ar,
Em Destaque Literatura e Filosofia

A ALDEIA QUE EM MIM HABITA – SOLDO SEGUNDO

 Quietude. Dominante em nada, o silêncio. Certo é, se decidir nesta mesa se sentar. De bom grado sentirá o que em óssea estrutura, de ensimesmado pensamento, meu, se prolifera. Assoma-se em cadeira ainda disponível, muitas assim o permanecerão, inconstante mas certa a presença de humano ser, a impossibilidade de imunidade qualquer. Sem imposição, a estanqueidade subtraída é ao que aqui, com voracidade, quanto baste, se medida considerada possa ser, se